Médica e empresário: quem são os acusados de escravizar idosa em SP

A médica Maria de Fátima Nogueira Paixão e o empresário Hamilton José Bernardo são acusados de manter idosa em trabalho análogo à escravidão

atualizado 08/12/2022 17:52

Reprodução

São Paulo – A médica Maria de Fátima Nogueira Paixão e o empresário Hamilton José Bernardo são acusados de manter idosa de 82 anos em trabalho análogo à escravidão na residência do casal em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo.

Os dois foram acusados de exploração pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) e respondem à ação civil pública. O casal mora em uma casa no bairro tradicional Ribeirânia e tem três filhos, que são médicos.

Maria de Fátima Nogueira Paixão é pediatra aposentada pela prefeitura de Ribeirão Preto. Já Hamilton José Bernardo é empresário do no setor de confecção de roupas.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
0

Reparação do abuso

Uma decisão judicial obtida pelo MPT determinou, na sexta-feira (2/12), o bloqueio de bens da médica e do empresário. O valor de R$ 815 mil será transferido para a idosa, com objetivo “reparar uma vida inteira de submissão e abusos praticados” pelos réus, diz o MPT.

A transferência de um carro pertencente ao casal também já foi alvo do bloqueio. A investigação do MPT começou após uma denúncia anônima.

Vítima

Devido a sua idade, a vítima tinha o Benefício Previdenciário Continuado (BCP). Porém, a idosa não tinha sequer acesso ao seu cartão de saque, que ficava sob a responsabilidade da patroa.

A mulher negra e analfabeta trabalhou durante 27 anos “sonhando em ter uma casinha”. Os acusados a enganavam dizendo que “estavam guardando o dinheiro” para ela. Em depoimento, a idosa disse que “não conhecia dinheiro”.

 

Mais lidas
Últimas notícias