metropoles.com

Com aumento de 32% dos casos, SP registra 1 feminicídio a cada 2 dias

Com aumento de 32% dos casos, SP registra 1 feminicídio a cada 2 dias, apontam dados da SSP; governo diz que prisões subiram

atualizado

Compartilhar notícia

Mateus Veloso/ Metrópoles
Coletivo Juntas organizou manifestação na UnB com o intuito de reivindicar mais segurança às mulheres e repudiar a violência na instituição, após estudante ser estuprada no Campus Darcy Ribeiro, na Asa Norte. Na foto, alunas marcham com cartazes em repúdio à violência e machismo - Metrópoles
1 de 1 Coletivo Juntas organizou manifestação na UnB com o intuito de reivindicar mais segurança às mulheres e repudiar a violência na instituição, após estudante ser estuprada no Campus Darcy Ribeiro, na Asa Norte. Na foto, alunas marcham com cartazes em repúdio à violência e machismo - Metrópoles - Foto: Mateus Veloso/ Metrópoles

São Paulo – Angélica foi esfaqueada na frente da própria filha. O assassinato de Tatiane, a golpes de marreta, também aconteceu na presença das crianças. Já Ellida, morta a tiros, teve o corpo escondido em um carrinho de compras e atirado à beira de um córrego.

Em comum, essas três vítimas de feminicídio foram mortas no Estado de São Paulo, que vive um aumento recente de mais de 30% no número de casos envolvendo esse tipo de crime.

Ao todo, 167 mulheres foram vítimas de feminicídio em São Paulo entre janeiro e novembro de 2022, segundo estatísticas da Secretaria da Segurança Pública (SSP).

Isso equivale a uma morte a cada dois dias. Na comparação com o mesmo período de 2021, a alta é de 32,5%.

O balanço consolidado de 2022 só deve ser divulgado pela SSP no fim deste mês. Ainda assim, mesmo sem os dados de dezembro, o índice já supera o acumulado em todo o ano de 2021, quando 136 feminicídios foram notificados em São Paulo.

Crimes

Um dos casos é o da professora Ellida Tuane Ferreira da Silva Santos, de 26 anos, baleada pelo marido dentro do apartamento na Vila Matilde, na zona leste da capital, segundo a polícia. Apontado como autor, o marido Luis Paulo Lima dos Santos ainda teria transportado o corpo da mulher em um carrinho e o despejado próximo a um córrego. Ele foi preso em novembro.

3 imagens
Professora é encontrada morta em São Paulo
A professora era casada e tinha um filho recém-nascido
1 de 3

A mulher saiu de casa na capital paulista para visitar a mãe em Campinas

Reprodução/ Redes Sociais
2 de 3

Professora é encontrada morta em São Paulo

Reprodução/ Redes Sociais
3 de 3

A professora era casada e tinha um filho recém-nascido

Reprodução/ Redes Sociais

Já Angélica Gomes da Silva, de 31 anos, foi morta a facadas na frente da filha, de apenas 2 anos, em Sapopemba, na zona leste de São Paulo. O seu ex-marido, José Carlos Lima Silva, de 40 anos, se entregou à polícia. A audiência de instrução do processo está marcada para março deste ano, segundo o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP).

Nesta semana, o suspeito de feminicídio Antônio Carlos Lopes Ferreira, de 48 anos, foi espancado até a morte em Guarulhos, na Grande São Paulo. Ele era investigado pelo assassinato da companheira Tatiane de Lima dos Santos, de 28 anos, a marretadas, na frente dos dois filhos do casal.

Suspeito de feminicidio é morto na Grande SP
Suspeito de feminicidio é morto na Grande SP

Especialista

Para a desembargadora Ivana David, do TJSP, o aumento recente no registro de feminicídios em São Paulo está relacionado a dois fatores: a maior procura de mulheres por socorro, o que permite ter mais clareza sobre o cenário, mas também a falhas do Estado em prevenir o assassinato antes que ele seja consumado de fato.

“O feminicídio é o tipo do crime que dá sinais. É o que chamamos de progressão criminosa. Em um dia, o agressor menospreza a mulher, no outro ele fala que a roupa dela é cafona. Depois dá um empurrão, soco, até que mata”, diz a desembargadora. “Ao menor sinal de violência doméstica, a mulher deve procurar uma delegacia e buscar medida de urgência no Sistema de Justiça.”

Prisões

Questionada, a SSP não informou por quais razões os feminicídios estão subindo em São Paulo. Em nota, a pasta afirma que o número de prisões relacionadas a esse tipo de crime subiu 27,8% no período, com 69 flagrantes realizados.

“Cabe ressaltar que São Paulo segue com a maior estrutura do país para combater a violência contra as mulheres. Atualmente, o estado conta com 140 Delegacias de Defesa da Mulher (DDMs), sendo 11 em funcionamento ininterrupto, além da DDM Online, que permite o registro destes crimes pela internet”, diz a SSP.

A pasta afirma ainda que o aplicativo SOS Mulher, criado em 2019 para atender vítimas com medidas protetivas concedidas pela Justiça, conta atualmente com 33 mil usuárias cadastradas. “Houve 4,5 mil acionamentos via APP e 277 pessoas foram conduzidas para distritos policiais, sendo 131 presas”.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSão Paulo

Você quer ficar por dentro das notícias de São Paulo e receber notificações em tempo real?