metropoles.com

Petrobras anuncia nova política de preços para combustíveis

Nova política de preços da Petrobras substituirá o Preço de Paridade de Importação (PPI), em vigor desde 2016 e criticado por Lula

atualizado

Compartilhar notícia

Aline Massuca/Metrópoles
imagem colorida fachada petrobras - Metrópoles
1 de 1 imagem colorida fachada petrobras - Metrópoles - Foto: Aline Massuca/Metrópoles

A Petrobras anunciou, nesta terça-feira (16/5), nova política de preços para os combustíveis derivados do petróleo, como gasolina e diesel, e o fim do atual modelo do Preço de Paridade de Importação (PPI), que vincula as tarifas à flutuação do valor praticado no mercado internacional.

O anúncio foi feito por meio de um comunicado da estatal. A regra do PPI está em vigor desde 2016.

“Os reajustes continuarão sendo feitos sem periodicidade definida, evitando o repasse para os preços internos da volatilidade conjuntural das cotações internacionais e da taxa de câmbio”, diz a Petrobras.

De acordo com a empresa, “a estratégia comercial usa referências de mercado como: o custo alternativo do cliente, como valor a ser priorizado na precificação; e o valor marginal para a Petrobras”.

“O custo alternativo do cliente contempla as principais alternativas de suprimento, sejam fornecedores dos mesmos produtos ou de produtos substitutos. Já o valor marginal para a Petrobras é baseado no custo de oportunidade dadas as diversas alternativas para a companhia, dentre elas, produção, importação e exportação do referido produto e/ou dos petróleos utilizados no refino”, afirma a estatal.

“Com a mudança, a Petrobras tem mais flexibilidade para praticar preços competitivos, se valendo de suas melhores condições de produção e logística e disputando mercado com outros atores que comercializam combustíveis no Brasil, como distribuidores e importadores”, diz o comunicado.

Apesar de anunciar o fim do PPI e a mudança na política de preços, a Petrobras não informou qual será a fórmula utilizada para definir o peso de cada fator no novo cálculo de preços.

A companhia limita-se a dizer que “os ajustes de preços de diesel e gasolina continuarão a ser divulgados nos canais de comunicação aos clientes e no site da companhia, onde também são disponibilizadas informações referentes à sua parcela e dos demais agentes na formação e composição dos preços médios de combustíveis ao consumidor”.

A mudança na política de preços da Petrobras era um pedido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que criticava o PPI desde a campanha eleitoral do ano passado. O presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, também é crítico do modelo.

Na véspera do anúncio da Petrobras, o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, também criticou a política de preços da estatal, que classificou como “uma abstração”.

“A Petrobras, criminosamente, trabalhou contra o país nos últimos anos. O botijão de gás é vendido pela Petrobras 26% acima do preço do PPI. É um gás que, inclusive, é pago pelo governo para chegar na casa do pobre. A Petrobras tem gordura para poder queimar acima do PPI na gasolina e no diesel”, afirmou Silveira.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNegócios

Você quer ficar por dentro das notícias de negócios e receber notificações em tempo real?

Notificações