metropoles.com

Dívida total da Americanas chega a R$ 50,1 bilhões

Segundo dados do novo relatório dos administradores judiciais, operações com risco sacado, base do rombo da varejista, somam R$ 16,1 bilhões

atualizado

Compartilhar notícia

Divulgação
imagem colorida fachada loja americanas
1 de 1 imagem colorida fachada loja americanas - Foto: Divulgação

A dívida total da Americanas é de R$ 50,1 bilhões. Esse valor acrescenta aos R$ 42,5 bilhões divulgados em fevereiro, mais R$ 7,6 bilhões de débitos mantidos entre as empresas que fazem parte do grupo da companhia. Do montante de dívidas financeiras e com debêntures, cerca de 44% estão ligadas às chamadas operações de risco sacado (“forfait”), que estão no centro da polêmica que envolve a varejista. Elas deram origem ao rombo contábil anunciado em janeiro, à época estimado em R$ 20 bilhões.

Esses dados sobre as dívidas da empresa constam do segundo relatório produzido pelos Administradores Judiciais da recuperação judicial da Americanas, o escritório de advocacia Zveiter e a Preserva Ação. O documento foi apresentado na quarta-feira (3/5) à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

O risco sacado acontece quando o fornecedor de uma empresa (no caso, a varejista) antecipa junto a um banco o recebimento de uma quantia, um pagamento pela venda de algum produto ou serviço. Entre as grandes instituições financeiras nacionais, o maior valor das dívidas da Americanas está justamente relacionado a esse tipo de operação. Em muitos casos, elas representam mais de 84% e até quase 100% dos débitos.

As dívidas da Americanas com o Bradesco, por exemplo, chegam a R$ 5,1 bilhões, segundo o relatório dos administradores judiciais. Desse montante, R$ 4,3 bilhões, o equivalente a 84,3%, são de risco sacado. No caso do BTG, essas operações somam R$ 3,508 bilhões ou 99,7% do total de débitos de R$ 3,517 bilhões.

No caso do Banco do Estado do Rio Grande do Sul, a relação é de R$ 2,526 bilhões de dívidas no total, sendo R$ 2,127 bilhões (84%) de risco sacado. No Itaú Unibanco, é de R$ 2,742 bilhões contra 2,703 bilhões (98%); no Safra, de R$ 2,526 bilhões e R$ 2,127 bilhões (84%); e no Santander, de R$ 3,6 bilhões e R$ 1,9 bilhão (52,7%). No geral, as operações de risco sacado da varejista alcançam R$ 16,1 bilhões.

De acordo com o primeiro relatório dos administradores judiciais, com 461 páginas e apresentado em março à CVM, as empresas responsáveis pela auditoria externa da Americanas, a PricewaterhouseCoopers (PwC) e, antes dela, a KPMG, não teriam sido informadas nem pelos bancos, nem pela Americanas a respeito dessas transações.

Em contrapartida, as instituições financeiras teriam notificado o Banco Central (BC) sobre a existência desses negócios. No primeiro relatório dos administradores, o Itaú Unibanco e o Santander foram citados como credores de operações de risco sacado com a Americanas, cujos valores emprestados teriam sido retificados e excluídos das informações financeiras enviadas às consultorias. Na ocasião, os dois bancos negaram qualquer tipo de problema em relação a esses débitos.

Clientes

O novo relatório da recuperação judicial mostra ainda que a Americanas fechou oito lojas entre fevereiro e março de 2023. Em dezembro – antes da crise, portanto –, ela tinha 49,1 milhões de clientes ativos e, no fim de março, esse número havia caído para 46,4 milhões.

Caixa

No fim do ano passado, o caixa da empresa era de R$ 2,2 milhões, ante R$ 961,9 milhões, em 31 de março. A soma disponível no caixa, saldo bancário, aplicações, títulos e valores mobiliários era de R$ 4,6 bilhões, em dezembro, e passou para R$ 1,3 bilhão, no fim do mês passado.

Entre as ações judiciais contra a varejista enumeradas no relatório, três delas correm em segredo de justiça. Duas são movidas pelo Banco Votorantim e uma pelo BTG.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNegócios

Você quer ficar por dentro das notícias de negócios e receber notificações em tempo real?

Notificações