metropoles.com

Americanas decide afastar toda diretoria para apurar rombo de R$ 20 bi

A Americanas anunciou, na noite de hoje (3/2), que decidiu afastar seis diretores e executivos para preservar a investigação contábil

atualizado

Compartilhar notícia

Divulgação
imagem colorida fachada loja americanas
1 de 1 imagem colorida fachada loja americanas - Foto: Divulgação

Todos os diretores da Americanas foram afastados formalmente dos cargos, segundo decisão da empresa comunicada ao mercado na noite desta sexta-feira (3/2).

O afastamento é parte do processo de investigação interna conduzido pela varejista. No mesmo comunicado em que anunciou a saída dos seis diretores e executivos, a Americanas informou que contratou o IBPTech, um instituto de perícia forense, a FTI Consulting, empresa que atuará na preservação de dados e mensagens eletrônicas que poderão servir como provas nos processos, e a Deloitte, consultoria contábil.

Os três diretores afastados são: Anna Christina Ramos Saicali, líder de inovação; José Timotheo de Barros, responsável pelas lojas físicas e Márcio Cruz Meirelles, responsável pelas vendas digitais. Já os três executivos afastados são: Fábio da Silva Abrate, executivo da área financeira; Flávia Carneiro, responsável pela controladoria e Marcelo da Silva Nunes, também ex-executivo da área financeira.

Alguns desses nomes estavam na Americanas há mais de 20 anos. Todos estiveram sob o comando de Miguel Gutierrez, ex-presidente da varejista que deixou o posto no final de dezembro do ano passado, quando foi substituído por Sergio Rial. Rial renunciou dez dias após tomar posse, na mesma data em que a Americanas informou o mercado sobre a existência do rombo contábil de R$ 20 bilhões.

Dos seis nomes afastados, dois já foram conselheiros das Lojas Americanas ou da B2W, empresas que se fundiram em 2021 para formar a Americanas. São a ex-diretora Anna Saicali e o ex-executivo Fábio da Silva Abrate.

Os diretores afastados são investigados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e pelo Ministério Público por terem vendido ações antes do escândalo vir à tona. Segundo revelou o Metrópoles com exclusividade, os executivos venderam mais de R$ 220 milhões em participação acionária ao longo de 2022.

Novo comando

Não foram indicados os substitutos dos nomes que estão sendo afastados. A empresa diz apenas que detectou ” lideranças internas e externas que darão continuidade aos negócios e às operações da Companhia”.

Os únicos executivos que permanecerão nos cargos serão o presidente internino João Guerra e a recém-nomeada diretora financeira Camille Loyo Faria.

Guerra era diretor de recursos humanos da Americanas até a saída de Rial e foi nomeado por ser o único diretor que não tinha atuação operacional. Já Camille era diretora da Tim e foi convidada em 17 de janeiro para substituir André Covre, CFO da Americanas que renunciou também após 10 dias da posse.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNegócios

Você quer ficar por dentro das notícias de negócios e receber notificações em tempo real?

Notificações