Sri Lanka: não há brasileiros entre as vítimas, diz Itamaraty

Série de explosões em hotéis e igrejas deixou quase 300 mortos e 500 feridos. Diplomacia brasileira condenou o "ato de terrorismo"

atualizado 22/04/2019 12:44

Um dia após uma série de explosões atingirem igrejas e hotéris no Sri Lanka, balneário no Sudeste Asiático, o Ministério das Relações Exteriores (MRE) confirmou que não há brasileiros entre as quase 300 vítimas dos atentados ocorridos no último domingo (21/04/19). Até o momento, 24 pessoas foram presas suspeitas de participarem dos ataques.

O porta-voz do governo do Sri Lanka, Rajitha Senaratne, afirmou nesta segunda, que um grupo islamista local, chamado National Thowheeth Jama’ath (NTJ), está por trás da série de atentados, mas não eu maiores detalhes da investigação.

O governo do Sri Lanka calcula mais de 500 feridos na arrancada terrorista, que atingiu locais de culto e ambientes frequentados por turistas. O Palácio do Itamaraty informa que continua em contato com autoridades locais para monitorar a situação de possíveis brasileiros entre os atingidos, informou a pasta ao Metrópoles.

O órgão da diplomacia brasileira condenou os ataques. “O governo brasileiro reafirma seu inteiro repúdio a todo ato de terrorismo, independente de sua motivação, expressa sua solidariedade ao governo e ao povo do Sri Lanka, transmite suas sentidas condolências às famílias das vítimas e estende aos feridos votos de plena e rápida recuperação”, destaca, em comunicado.

O Ministério das Relações Exteriores do Sri Lanka disse que pelo menos 39 estrangeiros estão entre os mortos. A imprensa estatal chinesa relatou que um cidadão chinês morreu e que outros quatro haviam sido hospitalizados. O governo de Portugal confirmou que uma vítima era cidadã lusitana.

Pelas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) criticou o extremismo religioso neste domingo (21/04/19). “Mesmo neste dia sagrado, o extremismo deixa rastros de morte e dor. Em nome dos brasileiros, condeno os ataques que deixaram centenas de vítimas no Sri Lanka, inclusive em igrejas, onde se celebrava a Ressurreição de Cristo. Que Deus possa confortar os que agora sofrem”, escreveu.

O governo bloqueou redes sociais para evitar circulação de notícias falsas e mais violência. Autoridades dizem que maioria das explosões foram ataques suicidas. As autoridades do Sri Lanka temem por trás dos ataques estejam militantes do Estado Islâmico que retornaram do Oriente Médio.

Últimas notícias