*
 

O olho do furacão Irma chegou nesta sexta-feira (8/9) à ilha Grande Inagua, no sul das Bahamas, com ventos máximos de até 260 km por hora, que o mantém na categoria de intensidade 5. Apesar disso, o fenômeno tem perdido força nas últimas horas, informou o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC, sigla em inglês).

O furacão já deixou 17 vítimas fatais confirmadas — quatro delas são das Ilhas Virgens americanas. As demais mortes foram registradas na ilha franco-holandesa St. Martin.

Às 2h (horário local, 3h de Brasília), o olho de Irma passava 30km ao norte de Grande Inagua — que tem mil habitantes — a uma velocidade de 260km/h em direção norte-noroeste. Embora o furacão siga na categoria de intensidade 5, a máxima na escala Saffir-Simpson, os ventos atuais indicam que perdeu alguma força, uma vez que a velocidade  registrada, nos últimos dias, era de 295km por hora.

O olho do Irma seguirá avançando durante a manhã desta sexta-feira para o sudeste das Bahamas e depois para a costa norte cubana e o resto das Bahamas, durante esta sexta e parte do sábado (9/9), de acordo como o NHC.

O furação deve atingir a Flórida neste fim de semana, provocando danos e tempestades. Irma está agora a 840km de Miami (Estados Unidos), onde chegará no domingo (10). Cuba começou a sentir nesta sexta os primeiros efeitos do furacão, com ventos de 240km/ por hora.

Os EUA temem um grande impacto do Irma em Miami, poucos dias depois do furação Harvey destruir o estado do Texas. “A cidade está em uma das piores posições possíveis”, alertaram os meteorologistas. Milhares de pessoas já estão deixando Miami e outras zonas do sul da Flórida.

Companhias aéreas, como a italiana Alitalia, anunciaram o cancelamento de voos para o Caribe e para Miami no fim de semana.

Outro furacão, o José, também se formou no Oceano Atlântico e atravessa o Caribe.

República Dominicana
Os efeitos do furacão Irma desalojaram 24,1 mil pessoas na República Dominicana, onde o número de províncias em alerta vermelho diminuiu de 19 para cinco, informou nesta sexta o Centro de Operações de Emergências (COE).

Do total de desalojados, 13,4 mil se encontram em casas de parentes e 10,7 mil nos albergues oficiais, explicou em coletiva de imprensa o subdiretor do COE, José Luis Germán.

 

 

COMENTE

Bahamasfuracão Irma
comunicar erro à redação