Rússia bloqueia meios de comunicação por causa de cobertura da guerra

Procurador-geral russo, Igor Krasnov, determinou o fechamento da estação de rádio Echo of Moscow e da TV Rain

atualizado 01/03/2022 20:23

KYIV, UCRÂNIA - 26 DE FEVEREIRO: Forças de segurança detêm um suspeito na capital ucraniana, Kiev, enquanto o ataque militar da Rússia na Ucrânia continua em 26 de fevereiro de 2022Aytac Unal/Agência Anadolu via Getty Images

O gabinete do procurador-geral da Rússia, Igor Krasnov, determinou, nesta terça-feira (1°/3), o bloqueio ao acesso de dois meios de comunicação russos considerados liberais – a estação de rádio Echo of Moscow e a TV Rain – por causa da cobertura da invasão da Ucrânia.

O procurador-geral disse que estes veículos estavam divulgando informações que apelam ao “extremismo, violência contra cidadãos da Federação Russa, violações em massa da ordem pública e segurança pública”.

A rádio Echo of Moscow publicou mensagem no site destacando que “discorda categoricamente” da decisão. O editor-chefe do veículo, Aleksei Venediktov, disse que as “alegações são infundadas e ofensivas” e a rádio vai recorrer da decisão na Justiça.

Na TV Rain, há uma mensagem dizendo que o conteúdo foi criado e distribuído por um meio de comunicação estrangeiro atuando como agente estrangeiro na Rússia.

No último sábado (26/2), o regulador russo de comunicações, Roskomnadzor, alertou 10 veículos locais, incluindo os dois que foram bloqueados nesta terça-feira, que restringiria o acesso às publicações, a menos que parassem de espalhar as “informações falsas”.

O governo russo não queria que os veículos chamasse a guerra da Ucrânia de “guerra” ou “invasão”.

Guerra da Ucrânia

A Rússia invadiu a Ucrânia na última quinta-feira (24/2), em meio a uma possível adesão ucraniana à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), aliança militar liderada pelos Estados Unidos. Na prática, Moscou vê essa possível adesão como uma ameaça à sua segurança.

0

Contudo, como justificativa, Putin ordenou a ocupação das regiões separatistas de Donbass, no leste ucraniano. Em pronunciamento, o líder russo fez ameaças e disse que quem tentar interferir no conflito sofrerá consequências nunca vistas na história.

Hoje o conflito chega ao sexto dia. Russos sitiaram Kiev e tentam tomar o poder. Hospitais, orfanatos, prédios residenciais, além de escolas e creches, já foram alvos de bombardeios na Ucrânia. Kharkiv, a segunda maior cidade ucraniana e próxima à fronteira com a Rússia, também se tornou alvo.

Diversos países europeus anunciaram o envio de ajuda estrutural de armas e dinheiro para a Ucrânia, que resiste. Belarus, uma das maiores aliadas da Rússia, entrou no foco da comunidade internacional. O país teria feito ataques à Ucrânia e cedido a fronteira para a invasão russa.

A batalha chegou à cúpula da Organização das Nações Unidas (ONU) e ao Tribunal Penal Internacional, em Haia.

Mais lidas
Últimas notícias