Bolsonaro diz na China comunista: “Estou em um país capitalista”

O presidente almejou expandir o comércio com a China, que vive em um regime político comunista, com acordos “sem viés ideológico”

atualizado 24/10/2019 9:25

Enviada especial a Pequim (China) – O presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), deu um recado aos eleitores que o questionam sobre a visita à China, que atualmente vive um regime comunista. Na chegada a Pequim, nesta quinta-feira (24/10/2019), o chefe do Executivo afirmou que veio “a um país capitalista”.

“Eu estou em um país capitalista”, cravou. Bolsonaro disse ainda que o encontro dele com o presidente chinês, Xi Jinping, é algo “normal” e que não vê “problema nenhum” nisso. “Não vim falar sobre questão política da China”, completou.

Segundo o mandatário brasileiro, a visita ao presidente chinês e às autoridades é o “contato necessário” para que o comércio entre os países seja ampliado. “Estou confiante”, comentou.

O presidente esclareceu ainda que mantém uma distância entre a briga econômica envolvendo os Estados Unidos e a China. “Não é briga nossa. Queremos inserir [o Brasil], sem qualquer viés ideológico, nas economias do mundo”, emendou.

“O que for possível para o desenvolvimento do país, faremos”. Questionado se a sinalização de investidores asiáticos mudou com a aprovação da reforma da Previdência no Congresso, Bolsonaro disse que, “no Japão, estavam felizes”: “Fizemos o dever de casa”.

O presidente da República informou ainda que grandes empresas estatais estão sendo mostradas a investidores na China. A situação, de acordo com Bolsonaro, “não tem muita alternativa”.

“Alguns criticam as privatizações, mas arrebentaram com as estatais. Estamos em uma situação que não tem muita alternativa. Tem certas coisas que têm que se adaptar à realidade. Não é o que você quer, mas o que é possível ser feito”. 

 

Últimas notícias