Pela 1ª vez, Rússia e Ucrânia trocam soldados feitos reféns na guerra

Vice-premiê ucraniana, Iryna Vereshchuk, disse que Kiev entregou 10 soldados russos e recebeu militares em troca

atualizado 24/03/2022 18:12

Militares ucranianos fazem vistoria em ambiente externo de um shopping bombardeado pela força aérea da Rússia em Kiev - MetrópolesAnastasia Vlasova/Getty Images

Os governos russos e ucranianos trocaram soldados feitos reféns durante os combates na Ucrânia, iniciados em 24 de fevereiro.

Nesta quinta-feira (24/3), segundo agências internacionais de notícias, a vice-premiê ucraniana, Iryna Vereshchuk, disse que Kiev entregou 10 soldados russos que haviam sido capturados e, em troca, recebeu de volta 10 de seus homens.

Os militares russos foram capturados pelas Forças Armadas da Ucrânia após o afundamento de um navio de guerra perto de Odessa.

Armas químicas

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) afirmou que a Rússia pretende usar armas químicas e biológicas contra a Ucrânia.

“Temos visto a retórica. Os russos tentam criar pretexto para se prepararem para o uso de armas químicas e biológicas.” Segundo o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, o país liderado por Vladimir Putin acusa outras nações de utilizarem esse tipo de armamento para poder legitimar eventual contra-ataque.

Stoltenberg ainda declarou que o uso de armas químicas alteraria “dramaticamente a natureza do conflito” e ressaltou que, se isso acontecer, haverá “consequências severas e em larga escala”.

Bombas de fósforo

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, acusou formalmente a Rússia de usar bombas de fósforo contra crianças. O país já havia feito esse tipo de avaliação sobre a atuação das tropas de Vladimir Putin, mas não de forma enfática.

“Nesta manhã, houve ataques com bombas de fósforo, e novamente morreram crianças, além de adultos”, frisou o líder ucraniano.

As bombas de fósforo são semelhantes a armas incendiárias e causam graves ferimentos. Elas são compostas por substâncias solúveis em gordura e, assim, provocam queimaduras profundas.

Mais mísseis

Após a reunião de cúpula da Otan, em Bruxelas, na Bélgica, nesta quinta-feira, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou que o Reino Unido doará 6 mil mísseis para o governo ucraniano.

Nesta quinta, a guerra completa um mês, e os líderes da Otan estão reunidos em Bruxelas. Ocorre que foi justamente o desejo ucraniano de entrar na organização que deu início à invasão russa, em 24 de fevereiro.

“Estamos reforçando nosso apoio aos países da Otan na linha de frente enviando um novo grupo de tropas do Reino Unido para a Bulgária, além de dobrar nossas tropas na Polônia e na Estônia. A Ucrânia não está sozinha”, assinalou.

Ataques

Os bombardeios na Ucrânia completam um mês nesta quinta e não dão sinais de que vão parar. Russos continuam os ataques em centros urbanos. Por outro lado, ucranianos dizem ter afundado um navio militar da tropa inimiga.

Autoridades de Kharkiv, segunda maior cidade da Ucrânia, disseram que ao menos seis civis morreram e 15 ficaram feridos após um bombardeio russo.

O ataque teria atingido uma agência de correio próxima a um local onde moradores da cidade recebiam ajuda humanitária. A acusação é do governador regional, Oleg Siniegubov.

0

Em contrapartida, a Ucrânia fez um ataque inédito com mísseis contra um porto que havia sido ocupado pela Rússia nesta quinta.

Segundo agências internacionais de notícias, ao menos um navio de desembarque de tropas, blindados e munição, o Orsk, foi destruído no ataque e afundou nos cinco metros do porto de Berdyansk, segundo a Marinha ucraniana.

Resolução da ONU

A Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou uma nova resolução que responsabiliza a Rússia pela guerra na Ucrânia.

Nesta quinta, os embaixadores responsabilizaram o país comandado por Vladimir Putin pela “crise humanitária” provocada pela guerra.

Foram 140 votos a favor, 5 contra e 38 abstenções. O Brasil votou a favor da resolução. O texto prevê o envio de ajuda humanitária, mas há detalhes.

Na direção contrária, a Assembleia Geral se negou a votar uma resolução que “eximia” a Rússia pelo início do conflito da Ucrânia. Na prática, o documento funcionaria como um “perdão” pela guerra.

O texto foi proposto pela África do Sul, mas não chegou a ser votado, após ser rechaçado por 67 países na Assembleia, seguindo pedido da Ucrânia. A Rússia apresentou um texto semelhante. A Assembleia Geral da ONU tem 193 integrantes.

Mais lidas
Últimas notícias