Biden e Europa ameaçam adotar novas medidas contra Rússia e Putin

"Neste momento, a Rússia não quer sentar e negociar nada", acusa diplomacia europeia. Líderes se reúnem nesta quinta-feira, em Bruxelas

atualizado 24/03/2022 12:43

Militares ucranianos fazem vistoria em ambiente externo de um shopping bombardeado pela força aérea da Rússia em Kiev - MetrópolesAnastasia Vlasova/Getty Images

Os Estados Unidos e a União Europeia articulam uma série de medidas contra a Rússia e seu líder, Vladimir Putin. Ainda não há detalhes do que efetivamente será, mas tratam a represália como “potenciais contingências”.

O chefe da diplomacia da União Europeia, Josep Borrell, acusou a Rússia de não ter interesse em negociar um cessar-fogo na Ucrânia.

“Neste momento, a Rússia não quer sentar e negociar nada: o que quer é ocupar o terreno”, salientou Borrell após reunião da cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

O conselheiro de segurança nacional norte-americano, Jake Sullivan, adiantou o que pretende o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e confidenciou que a maior preocupação é com ataques cibernéticos russos e o uso de armas químicas.

“É importante porque tudo será decidido nos próximos 15 dias. O que vai fazer história é a capacidade dos ucranianos de resistir”, frisou.

Recados

A cúpula da Otan mandou recados duros a dois países aliados do presidente russo, Vladimir Putin. A entidade militar advertiu China e Belarus, além de dizer que as nações são “cúmplices” da guerra na Ucrânia.

Nesta quinta-feira (24/3), a guerra completa um mês e os líderes da Otan estão reunidos em Bruxelas. Ocorre que foi justamente o desejo da Ucrânia de entrar na organização que deu início à invasão russa, em 24 de fevereiro.

O grupo está preocupado com a guerra. “Temos a responsabilidade de assegurar que o conflito não escale”, disse o secretário-geral, Jens Stoltenberg.

Ele advertiu a China a não apoiar Vladimir Putin, seu aliado, e disse que a ditadura de Belarus tem de parar de ser cúmplice de Moscou.

A declaração ocorre em meio a rumores de que Pequim está fornecendo ajuda militar e econômica a Moscou para auxiliar na guerra na Ucrânia.

Belarus passou a centralizar uma polêmica internacional após sofrer acusações de facilitar a invasão e depois ter executado ataques contra a Ucrânia com mísseis.

Dia decisivo

A tensão global tem atingido níveis estratosféricos com a falta de entendimento entre russos e ucranianos e a deterioração das relações político-diplomáticas envolvendo outras nações, como Estados Unidos, Rússia e China.

A quinta-feira tem intensa agenda internacional: haverá reunião da cúpula da Otan, do conselho da União Europeia e do G7 — grupo dos países mais ricos do mundo.

Os encontros debaterão a instabilidade geopolítica atual. Novas sanções contra a Rússia, o risco do uso de armas nucleares e o fortalecimento da defesa mundial são as principais pautas divulgadas até o momento.

0

Efeito Biden

O presidente dos EUA, Joe Biden, foi aos encontros. A participação é simbólica e estratégica. Esta é a primeira visita de Biden ao continente após o início da guerra na Ucrânia, em 24 de fevereiro.

Biden, em um recado diplomático importante, visitará na sexta-feira (25/3) tropas militares da Otan na Polônia — país que faz fronteira com a Ucrânia e é integrante da aliança atlântica.

A Polônia sugeriu que a Rússia seja excluída do G20, o grupo que reúne as 19 maiores economias do mundo e a União Europeia.

A tensão nos arredores da Polônia ficou maior na última semana, com o primeiro bombardeio a Lviv, cidade a poucos quilômetros da fronteira polonesa. O ataque deixou o mundo em alerta.

Como a cidade é próxima da Polônia, se a investida seguir e de alguma forma atingir alvos de nações amigas da Ucrânia, mesmo que não intencionalmente, isso poderia fazer o conflito escalar dramaticamente.

Mais lidas
Últimas notícias