metropoles.com

“O sangue está nas mãos de Putin”, diz EUA ao apontar aumento da crise

Porta-voz do Pentágono, John Kirby alerta: “Russos continuam avançando em direção a Kiev”

atualizado

Compartilhar notícia

Vyacheslav Prokofyev /Getty Images
Vladimir Putin, presidente russo. Ele usa terno e gravata e olha seriamente para a frente- Metrópoles
1 de 1 Vladimir Putin, presidente russo. Ele usa terno e gravata e olha seriamente para a frente- Metrópoles - Foto: Vyacheslav Prokofyev /Getty Images

Em pronunciamento, transmitido ao vivo de Washington, nesta segunda-feira (28/2), o governo americano foi categórico. “Russos continuam avançando em direção a Kiev”, alertou o porta-voz do Pentágono, órgão do governo americano, John Kirby.

Segundo Kirby, as tropas russas estão “atrasadas” no planejamento, mas seguem avançando na direção da capital ucraniana. “Todo o sangue está nas mãos de Putin”, condenou.

O governo americano disse, em movimento uníssono à comunidade internacional, que tem armas e caças para enviar ao Exército ucraniano. Diversos países já anunciaram medidas do tipo.

Avanço russo

Mesmo em meio a uma série de movimentações político-diplomáticas para tentar forçar um cessar-fogo, as tropas russas não recuam e cada vez mais atacam cidades da Ucrânia. Tanques cercam Kiev, capital da Ucrânia e coração do poder. Kharkiv, a segunda maior cidade do país, sofreu um bombardeio que deixou mortos e feridos.

Imagens de satélite mostram que as forças terrestres russas estão indo em direção de Kiev. A estimativa é de que o comboio tem 27 quilômetros e é composto por centenas de tanques, blindados e outros veículos de guerra.

Segundo informações de agências internacionais de notícias, há centenas de veículos cercando a cidade. A rota seria a região do aeroporto de Hostomel, a pouco mais de 30 quilômetros do centro da capital ucraniana.

0

 

Ao longo do final de semana, a cidade chegou a ser invadida pelas forças russas, que acabaram expulsos pelos militares ucranianos.

O Exército russo deixou, nesta segunda-feira (28/2), ao menos 11 mortos e dezenas de feridos em Kharkiv. A cidade, que é a segunda maior da Ucrânia, tornou-se um dos principais campos de batalha.

ONGs, como a Human Rights Watch (HRW) e Anistia Internacional, apontam ainda que a Rússia está usando bombas de fragmentação nos ataques a territórios ucranianos.

Em Kharkiv, os ataques ocorreram também contra áreas civis, usando mísseis balísticos e teleguiados. A Ucrânia vive o quinto dia de ataques.

A intensificação dos ataques seria uma forma do presidente russo, Vladimir Putin, tomar o controle do poder e exercer algum tipo de interferência na Ucrânia. Desde sexta-feira (25/2), segundo dia de invasão, Putin tenta tomar Kiev, por exemplo.

Autoridades ucranianas denunciam o ataque a civis. “Isso está acontecendo à luz do dia, quando as pessoas vão à farmácia, para fazer compras ou beber água. É um crime”, afirmou Oleh Sinehubov, chefe da Administração Estatal Regional de Kharkiv.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, lamentou o momento que a Ucrânia tem vivido, com civis como alvos. “Essa situação é completamente inaceitável. Os soldados devem sair das trincheiras e os líderes buscarem a paz”, defendeu.

Os combates também se intensificaram nos arredores de Mariupol, importante cidade portuária na costa do Mar de Azov. Forças russas tentam assumir posições que permitam o cerco da área urbana.

A Rússia e a Ucrânia vivem um embate por causa da possível adesão ucraniana à Otan, entidade militar liderada pelos Estados Unidos. Na prática, Moscou vê a possível entrada do vizinho na organização como uma ameaça à sua segurança. Os laços entre Rússia, Belarus e Ucrânia existem desde antes da criação da União Soviética (1922-1991).

Mapa regiões atacadas Ucrânia
Mapa ilustra os locais onde o país foi atacado

Acusações na ONU

Durante a sessão emergencial da Assembleia Geral Organização das Nações Unidas (ONU) para discutir a punição da Rússia e de seu presidente, Vladimir Putin, após a invasão da Ucrânia, embaixadores dos países em confronto trocaram acusações. É apenas a 10ª vez que uma reunião do tipo é feita na história do grupo.

Líderes estão reunidos no início da tarde desta segunda-feira (28/2) na sede da ONU, em Nova York. Líderes da ONU pediram um cessar-fogo e defenderam a diplomacia.

O embaixador da Ucrânia na ONU, Sergiy Kyslytsya, denunciou que a Rússia teria cometido crimes de guerra durante os combates. Segundo ele, civis, hospitais, escolas, orfanatos e até ambulâncias foram alvos das tropas russas.

“Os conflitos têm paralelos que podem ser feitos com a 2ª Guerra Mundial. A Rússia comete crimes de guerra”, afirmou o diplomata ucraniano. Segundo ele, são ao menos 5 mil mortos, entre civis e soldados.

O embaixador da Rússia na ONU, Vasily Nebenzya, falou logo após o diplomata ucraniano. Ele rebateu as falas do homólogo, defendeu o prisma russo da situação e disse que há uma guerra de informação contra o país.

Ele desmentiu o embaixador ucraniano. “Forças russas não estão atacando áreas civis. A infraestrutura ucraniana não está sendo atacada”, salientou.

A sessão emergencial foi aprovada pelo Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU). A movimentação político-diplomática é uma represália após uma resolução que exigia a retirada imediata das tropas russas do território ucraniano ser vetada por causa de somente um voto contra que veio justamente da Rússia.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações