metropoles.com

Lula insistirá em acordo Mercosul-UE: “Não vou desistir do Macron”

Lula afirmou que não vai desistir do acordo entre o Mercosul e a União Europeia e fez apelo ao presidente da França, país que mais se opõe

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução
Imagem colorida de Lula e chancler alemão Olaf Scholz
1 de 1 Imagem colorida de Lula e chancler alemão Olaf Scholz - Foto: Reprodução

Em agenda em Berlim, na Alemanha, nesta segunda-feira (4/12), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse ter feito um apelo ao presidente da França, Emmanuel Macron, em prol da efetivação do acordo entre o Mercosul e a União Europeia.

“Ontem, quando me despedi do presidente Macron, eu falei: ‘Quando você pegar o avião, que você sentar na sua poltrona, abra o seu coração, converse com a sua esposa e aceite fazer um acordo entre a União Europeia e o Mercosul’. Eu não vou desistir do Macron e não vou desistir porque nós vamos ter outras reuniões, outras necessidades. Eu vou continuar até, um dia, eu conseguir”, ressaltou Lula em declaração à imprensa, ao lado do chanceler alemão Olaf Scholz.

“Todos [os líderes mundiais] com quem eu discuti criaram dificuldade para o acordo. Isso faz 23 anos. Mesmo assim, eu ainda estou persistindo. Porque se eu não persistisse, eu não teria chegado à Presidência do meu país, porque eu perdi três eleições antes de ganhar a primeira”, afirmou ainda o petista.

“Antiquado” e “contraditório”

Na Conferência das Nações Unidas para Mudança do Clima (COP28), em Dubai, nos Emirados Árabes, Macron concedeu uma coletiva de imprensa na qual chamou o acordo entre os blocos de “antiquado” e “contraditório”.

“Sou contra o acordo Mercosul-UE, porque acho que é completamente contraditório com o que ele [Lula] está fazendo no Brasil e com o que nós estamos fazendo, porque é um acordo que foi negociado há 20 anos, e que tentamos remendar, mas está mal remendado”, frisou Macron no sábado (2/12).

Na Alemanha, Lula reagiu à postura contrária do francês e afirmou que só poderá dizer que o acordo não se concretizará no momento em que acabar a reunião do Mercosul, no Rio de Janeiro, e houver o “não”.

“Enquanto eu puder acreditar que é possível fazer esse acordo, eu vou lutar para fazê-lo. Porque, depois de 23 anos, se a gente não concluir o acordo, é porque eu penso que nós estamos sendo irrazoáveis com as necessidades que nós temos de avançar nos acordos comerciais, políticos e econômicos”, ressaltou.

O acordo de livre comércio entre os dois blocos está em negociação desde 1999 e foi assinado 20 anos depois, no início da gestão de Jair Bolsonaro (PL). Mas, ainda não foi ratificado e, portanto, não entrou em vigor. Caso seja concluído, o texto criará a maior zona de livre comércio do mundo.

Para que isso ocorra, o texto precisa ser aprovado por parlamentares de todos os países membros dos dois blocos econômicos, além de passar por procedimentos internos de ratificação. A França e a Holanda, por exemplo, tem se posicionado contra a proposta.

0

Em seguida, Lula disse que se posicionar contra um tratado é um direito do governo francês, mas alegou que a União Europeia, enquanto bloco, não precisa fazer o mesmo.

“Paciência”

Nesta segunda, ao lado de Scholz, Lula demonstrou mais otimismo em sua missão de convencer o francês Macron a aceitar o acordo entre Mercosul e UE. Em Dubai, onde participou dos primeiros dias da COP28, no final de semana, o petista chegou a dizer: “Se não tiver acordo, paciência” .

Na COP28, Lula se reuniu com líderes europeus na tentativa de costurar apoio político para a conclusão do acordo entre os dois blocos antes do fim da Presidência brasileira à frente do Mercosul, que termina no fim desta semana.

“Não foi por falta de vontade. A única coisa que tem que ficar claro é que não digam mais que é por conta do Brasil, da América do Sul. Assumam a responsabilidade de que os países ricos não querem fazer um acordo na perspectiva de fazer qualquer concessão”, declarou o petista em coletiva de imprensa em Dubai.

“Eu tive uma grande conversa com a Ursula von der Leyen, que é a presidenta da Comissão Europeia. Vamos ver como é que vai acontecer na sexta-feira [na Cúpula do Mercosul, no Rio de Janeiro]. Se não tiver acordo, pelo menos vai ficar patenteado de quem é a culpa de não ter acordo”, prosseguiu.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações