Londres tem protesto contra o “genocídio” de povos indígenas do Brasil

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) informa que 652 indígenas morreram infectados pela Covid-19

atualizado 09/08/2020 19:09

ÍndiosDaniel Ferreira/Metrópoles

Com uma presença marcante da cor vermelha, manifestantes realizaram um ato neste domingo (9/8), em frente à National Gallery, em Londres, na Inglaterra, em protesto a um suposto genocídio de povos indígenas no Brasil provocado pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em meio à pandemia do novo coronavírus.

A ação foi organizada pelo grupo ativista Extinction Rebellion, que contou com apoio da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib). “A Covid-19 está batendo violentamente em indígenas no Brasil”, diz o grupo ativista, em uma rede social.

De acordo com a Apib, 652 indígenas morreram infectados pela Covid-19. No total, mais de 23,4 mil casos foram confirmados, em 148 povos.

A Extinction Rebellion ressalta, no entanto, que o problema não é apenas a alta taxa de mortalidade entre os povos indígenas. “Outras tensões e ameaças estão sendo exacerbadas pelo isolamento social durante a nova pandemia de coronavírus”, complementa.

“Continuamos enfrentando o descaso do governo brasileiro, de lutar pelo direito de viver ajudando os enfermos e honrando o legado de quem não sobreviveu ao vírus”, prosseguiu o grupo ativista.

Últimas notícias