metropoles.com

Israel x Hamas: Conselho da ONU votará resolução em prol das crianças

A minuta de resolução apresentada pela delegação de Malta busca frear a situação a que estão expostas as crianças na Faixa de Gaza

atualizado

Compartilhar notícia

Michael M. Santiago/Getty Images
Imagem colorida mostra reunião do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas - Metrópoles
1 de 1 Imagem colorida mostra reunião do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas - Metrópoles - Foto: Michael M. Santiago/Getty Images

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) deve votar, na tarde desta quarta-feira (15/11), uma nova minuta de resolução para frear a guerra entre Israel e o grupo extremista Hamas. A matéria está na pauta da sessão de emergência marcada para as 17h, pelo horário de Brasília.

A proposição é de autoria da delegação de Malta, país europeu que ocupa uma cadeira no colegiado como membro não permanente. De acordo com o ministro das relações exteriores do país, Ian Borg, o texto busca interromper o sofrimento das crianças que estão em meio ao conflito que ocorre no Oriente Médio.

“Durante a última semana, a Missão Permanente de Malta na ONU tem trabalhado incansavelmente num projeto de resolução sobre a situação humanitária das crianças em Gaza”, disse no X (antigo Twitter).

“Ouvimos os membros do Conselho e outras partes interessadas para garantir um texto equilibrado e operacional”, completa.

De acordo com o portal Malta Today, o texto prevê a aplicação de pausas humanitárias no conflito e o acesso dos civis à ajuda humanitária. Além disso, demanda a “imediata e incondicional libertação de todos os reféns mantidos pelo Hamas e por outros grupos, especialmente das crianças”.

O texto, segundo o portal, não condena o ataque de 7 de outubro nem a retaliação promovida por Israel à Faixa de Gaza. A proposta, em diversos momentos, faz menção à situação das crianças no conflito.

Tentativas frustradas

Até o momento, o Conselho de Segurança da ONU votou quatro minutas de resolução para tentar interferir no conflito entre Israel e o Hamas, que escalou desde o último dia 7 de outubro. No entanto, nenhum dos textos passou.

0

Ao todo, foram duas propostas apresentadas pela delegação russa, enquanto uma partiu do Brasil e outra dos Estados Unidos. Dos 15 membros do conselho, a proposta apresentada pela delegação brasileira garantiu 12 votos, mas o posicionamento contrário dos Estados Unidos minou qualquer aprovação.

Como membro permanente, os americanos têm poder de veto. A embaixadora dos EUA, Linda Thomas-Greenfield afirmou que a decisão se deve ao fato de o texto não fazer menção direta ao direito de autodefesa de Israel.

A resolução previa, por exemplo, a entrada de ajuda humanitária na Faixa de Gaza. O texto ainda encorajaria “o estabelecimento de corredores humanitários e outras iniciativas para a entrega de ajuda à população civil”.

A principal atribuição do conselho é agir em prol da manutenção da paz e da segurança internacionais. Com base nas deliberações, o colegiado pode decidir, por exemplo, ordenar operações militares internacionais, aplicar sanções e criar missões de paz.

Situação acirrada em Gaza

O conflito entre Israel e o Hamas escalou no último dia 7 de outubro, quando o grupo extremista empreendeu um ataque surpresa a Israel. Desde então, o governo israelense tem retaliado as ações por meio de bombardeios e incursões terrestres à Faixa de Gaza.

Até o momento, segundo informações do governo israelense e de autoridades ligadas ao Hamas, a guerra soma mais de 12 mil mortos. A situação e o cerco promovido à região ainda deixou os mais de 2 milhões de palestinos em meio a uma crise humanitária.

As operações e bombardeios seguem na Faixa de Gaza. Nessa terça-feira (14/11), as Forças de Defesa de Israel afirmaram ter invadido o maior hospital da cidade de Gaza para combater estruturas do Hamas. As tropas disseram ter abatido cinco membros do grupo Hamas em confrontos no local.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações