Irã diz que não entregará à Boeing caixas-pretas de avião caído

Aeronave que caiu matando todas as 176 pessoas a bordo foi produzida por empresa norte-americana

EBRAHIM NOROOZI/ASSOCIATED PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

atualizado 08/01/2020 12:07

O avião que caiu no Irã logo após decolar, nesta quarta-feira (08/01/2020), foi produzido por uma companhia norte-americana, a Boeing, e a Organização da Aviação Civil do Irã anunciou que não entregará à companhia e aos Estados Unidos as caixas-pretas da aeronave, que era de empresa ucraniana.

O Boeing-737 transportava 176 pessoas de sete nacionalidades e ninguém sobreviveu ao acidente. “Não daremos as caixas-pretas para o fabricante [Boeing] nem para os americanos”, afirmou o diretor dessa agência iraniana, Ali Abedzadeh, segundo a agência de notícias Mehr.

Apesar de o Irã não ter apontado para indícios de que os eventos estejam conectados, o avião caiu no mesmo dia em que o país atacou bases norte-americanas no Iraque. O ataque a duas bases foi uma resposta à morte do general Qassim Suleimani.

Os passageiros do voo 752 da Ukraine International Airlines eram do Irã, Canadá, Ucrânia — a maioria era tripulante —, Suécia, Afeganistão, Alemanha e Reino Unido. O avião caiu em Shahedshahr, sudoeste da capital iraniana.

Além de se negar a entregar as caixas-pretas, a Organização da Aviação Civil do Irã anunciou que fará toda a investigação sobre o acidente.

A Boeing não se posicionou sobre as declarações do governo iraniano. Em post nas redes sociais, a empresa lamentou o acidente.

“Este é um evento trágico e nossos pensamentos sinceros estão com a tripulação, os passageiros e suas famílias. Estamos em contato com nossos clientes de companhias aéreas e os apoiamos neste momento difícil. Estamos prontos para ajudar de qualquer maneira necessária”, postou a empresa.

Últimas notícias