Interpol envia equipe para a Moldávia após suspeita de tráfico humano

País já recebeu ao menos 380 mil refugiados da Ucrânia, que vive invasão da Rússia desde 24 de fevereiro

atualizado 25/03/2022 21:48

Refugiados ucranianos, em maioria mulheres e crianças, chegam na cidade de Medyka, na Polônia, após fugirem da guerra em seu país - MetrópolesSean Gallup/Getty Images

A  Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol) enviou uma equipe para a Moldávia, país que faz fronteira com a Ucrânia, para auxiliar autoridades locais e da Organização das Nações Unidas (ONU) a lidar com a suspeita de tráfico de pessoas e outros crimes na região. Cerca de 380 mil refugiados da Ucrânia já chegaram ao país desde o início da guerra com a Rússia.

“A Interpol já recebeu alertas de que traficantes de pessoas e contrabandistas estariam em vários pontos de checagem nas fronteiras esperando por populações vulneráveis vindas da Ucrânia”, diz o comunicado.

Países se reúnem para buscar refugiados

França, Turquia e Grécia se juntaram, nesta sexta-feira (25/3), na tentativa de resgatar refugiados em Mariupol, cidade ucraniana que foi devastada pela guerra iniciada em 24 de fevereiro.

Segundo informações da agência estatal russa de notícias RIA, os presidentes Emmanuel Macron, da França, e Vladimir Putin, da Rússia, conversarão nesta sexta sobre a crise humanitária na região.

De acordo com a agência, “nas próximas horas”, Macron fará um telefonema a Putin. O francês coordena os esforços dos países para a retirada de civis.

0

A movimentação político-diplomática ocorre horas após autoridades locais de Mariupol confirmarem a morte de pelo menos 300 pessoas devido ao suposto bombardeio russo a um teatro.

O local seria usado como abrigo para os ucranianos. Havia, inclusive, inscrições em tinta branca, ao lado do edifício, avisando aos invasores que crianças estavam escondidas por lá.

Mariupol disputada

Nessa quinta-feira (24/3), aliados de Putin relataram que o Exército do país tomou o poder em Mariupol, cidade estratégica do sul ucraniano. Ao menos dois nomes ligados ao chefe do Kremlin confirmaram a informação.

O chefe do Rússia Unida, Andrei Turchak, e o líder checheno, Ramzan Kadyrov, garantiram a conquista. O governo da Ucrânia nega.

“Para que ninguém tenha dúvidas: a Rússia está aqui para sempre”, declarou Turchak ao afirmar que a Rússia reconstruirá Mariupol.

Na mesma tendência, Ramzan Kadyrov disse que tropas ucranianas se renderam e que militares russos tomaram a Prefeitura de Mariupol.

“Os soldados relataram no rádio que libertaram o prédio da administração de Mariupol e levantaram nossa bandeira”, declarou. E acrescentou: “Abandonaram suas posições”.

Mais lidas
Últimas notícias