*
 

O chefe de polícia de San Bruno, Califórnia (EUA), Ed Barberini, confirmou que uma mulher é a responsável pelos disparos ouvidos na tarde desta terça-feira (3/4) na sede do YouTube. Após efetuar os disparos, ela atirou em si mesma e não sobreviveu.

A área foi isolada e as autoridades recomendaram evitar o local. A polícia ainda não deu o perigo como encerrado e está conduzindo buscas nos arredores e dentro das instalações para se certificar de que não havia outros atiradores. A identidade da mulher já apontada como responsável por disparos nesta tarde não foi revelada, tampouco explicado se ela seria uma ex-funcionária da empresa, como a mídia local supõe.

Pelas redes sociais, funcionários relataram ter ouvido tiros. Eles foram retirados do prédio após a chegada da polícia.

Em sua conta no Twitter, o funcionário do YouTube Vadim Lavrusik disse ter visto pessoas correndo e se escondendo após ouvir tiros. “Agora, fomos retirados e estamos em segurança”, escreveu.

Outro funcionário, Todd Sherman, disse, também no Twitter, que estava numa reunião quando as pessoas começaram a correr. “Pensamos que era um terremoto”, afirmou.

Imagens feitas por um dos funcionários mostram o momento no qual a polícia evacuou o prédio (assista vídeo abaixo). Cerca de 1,7 mil pessoas trabalham na sede do YouTube e as autoridades locais receberam diversas chamadas no número de emergência.

Feridos
O porta-voz do Hospital Zuckerberg San Francisco, Brent Andrew, afirmou ter recebido vítimas do incidente: foram transportados à unidade, além da atiradora, um homem de 36 anos, em estado crítico, e duas mulheres, sem ferimentos considerados graves. (Com informações da Agência Estado e ABC News)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump se pronunciou no Twitter sobre o episódio: “Acabei de ser informado sobre o tiroteio na sede do YouTube, em San Bruno, Califórnia. Nossos pensamentos e orações estão com todos os envolvidos. Obrigada pela fenomenal resposta das autoridades que estão no local agora”.