Embaixada dos EUA pede aos seus cidadãos que abandonem o Iraque

A representação diplomática pediu aos norte-americanos "que partam de avião o mais rápido possível" ou saiam "por via terrestre"

iStock

atualizado 03/01/2020 17:35

A embaixada norte-americana em Bagdá, atacada na última terça-feira (31/12/2019) por pró-iranianos, apelou nesta sexta-feira (03/01/2020) aos cidadãos que deixem o Iraque “imediatamente”. O pedido foi divulgado poucas horas depois do assassinato do general iraniano Quassim Suleimani em uma operação dos Estados Unidos.

A representação diplomática dos EUA pediu aos norte-americanos no Iraque “que partam de avião o mais rápido possível” ou saiam “para outros países por via terrestre”.

As principais passagens de fronteira do Iraque levam ao Irã e à Síria, mas há outros pontos de passagem para a Arábia Saudita e a Turquia.

O assassinato do general iraniano Quassim Suleimani, enviado da República Islâmica ao Iraque, representa “uma escalada perigosa da violência”, disse a presidente da Câmara dos Deputados norte-americana, a democrata Nancy Pelosi.

“Os Estados Unidos — e o mundo — não podem permitir uma escalada de tensões que chegue a um ponto sem retorno”, afirmou Nancy Pelosi em um comunicado.

A Guarda Revolucionária confirmou a morte do general durante ataque aéreo, nessa quinta-feira (02/01/2020), contra o aeroporto de Bagdá. A ação norte-americana também visou o “número dois” da coligação de grupos paramilitares pró-iranianos no Iraque, Abu Mehdi al-Muhandis.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ordenou a morte do comandante da força de elite iraniana Al-Quds, general Quassim Suleimani, anunciou o Pentágono em um comunicado.

Na nota, o Pentágono disse que Suleimani estava “ativamente a desenvolver planos para atacar diplomatas e membros de serviço norte-americanos no Iraque e em toda a região”.

O líder supremo do Irã, Ali Khamenei, prometeu vingar a morte do general e declarou três dias de luto nacional.

Últimas notícias