Convocação de Putin dispara buscas por “como quebrar o braço”

Nessa quarta, o presidente russo anunciou decidiu chamar 300 mil reservistas para guerra na Ucrânia

atualizado 22/09/2022 16:06

Mikhail Svetlov/Getty Images

Após o presidente da Rússia, Vladimir Putin, decretar a primeira mobilização do país desde a Segunda Guerra Mundial e convocar 300 mil reservistas para lutar na Ucrânia, “como quebrar o braço em casa” e “como deixar a Rússia” são as principais pesquisas feitas pelos russos no Google.

Conforme mostra o Google Trends, ferramenta que disponibiliza número de buscas em tempo real, a procura por “como quebrar um braço em casa” disparou em todo o país a partir das 5h (horário de Moscou) dessa quarta-feira (21/9), após o discurso de Putin.

A alta indica que alguns russos podem tomar medidas extremas para evitar um possível combate.

Quando o presidente iniciou o discurso, por volta das 2h, as tendências de pesquisa do Google entre os russos eram focadas em maneiras de deixar o país e o adiamento do exército.

Putin ameaça guerra nuclear

Em seu discurso, Putin argumentou que o Ocidente quer “destruir e dividir” a nação russa e, por isso, a medida será tomada. A intenção é convocar 300 mil cidadãos – que já tiveram alguma experiência militar – para a guerra contra a Ucrânia.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
Publicidade do parceiro Metrópoles 6
0

Em pronunciamento, o líder russo falou que pode usar armas nucleares caso a soberania do país seja ameaçada. “Isso não é um blefe.”

A medida ocorre dias após quatro regiões controladas por Moscou no leste e no sul da Ucrânia anunciarem que farão referendos para fazer parte da Rússia. As duas regiões separatistas do Donbas, Donetsk e Luhansk, juntamente com Kherson e Zaporizhzia, pretendem conduzir as votações ainda nesta semana, em um ato que busca impedir as investidas ucranianas para retomar essas áreas.

Veja o vídeo do discurso aqui.

Mais lidas
Últimas notícias