*
 

O Haiti começou a enterrar mortos em valas comuns após a passagem do furacão Matthew, disse uma autoridade do governo no domingo, à medida que a cólera se espalha por áreas devastadas e o número de mortos pelo desastre chega a 1 mil pessoas.

O furacão, a tempestade mais forte no Caribe em quase uma década, chegou ao Haiti com ventos de 233 km por hora e chuvas torrenciais que deixaram 1,4 milhão de pessoas carentes de ajuda humanitária, informou o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários.

Uma estimativa da agência de notícias Reuters, a partir de números fornecidos por autoridades locais, indicou que 1 mil pessoas foram mortas pela tempestade no Haiti, que conta com uma população de cerca de 10 milhões de pessoas e é o país mais pobre do continente americano.

O número oficial fornecido pela agência central de proteção civil é de 336 mortos, mas a contagem é mais lenta pois as autoridades precisam visitar todas as vilas para confirmar os valores.

 

 

Autoridades tiveram que começar a enterrar os mortos em valas comuns em Jeremie porque alguns corpos já estavam entrando em processo de decomposição, disse Keder Frenel, autoridade central na região do Grand’Anse.
Frenel disse que só em Grand’Anse 522 pessoas morreram e há grande preocupação com a cólera. Autoridades estão focadas em conseguir água e medicamentos para milhares de pessoas que estão em abrigos.
A cólera causa forte diarreia e pode matar em questão de horas se não for tratado. A doença se espalha a partir de água contaminada e possui um período curto de incubação, o que leva a rápidos surtos.
 

 

COMENTE

Haiticaribefuracão Matthew
comunicar erro à redação

Leia mais: Clima