Google, Apple e Amazon suspendem rede social usada por apoiadores de Trump

Informações foram confirmadas pela CEO do Parler, John Matze, que considerou as ações como uma censura à liberdade de expressão

atualizado 10/01/2021 19:43

Presidente trump durante pronunciamentoChip Somodevilla/Getty Images

A Amazon decidiu suspender, a partir da meia-noite deste domingo (10/1), a rede social Parler do serviço de hospedagem digital, a Amazon Web Services (AWS).

A ação se assemelha a medidas adotadas por outras duas grandes empresas de tecnologia, a Google e a Apple, que excluíram a rede social das lojas de aplicativos.

A suspensão tem sido adotada em crítica à posição do Parler ante mensagens que incentivaram a invasão do Capitólio norte-americano, na última quarta-feira (6/1).

Ao contrário de medidas adotadas pelo Twitter, Facebook e outras várias redes sociais, o Parler não aplicou restrições ao presidente dos EUA, Donald Trump.

Na quarta, Trump incentivou seus apoiadores a invadirem o Congresso americano e os chamou de “patriota”. Cinco pessoas, entre elas um policial, morreram.

O Parler tem funcionado como um “refúgio” de internautas da extrema-direita que se mostram contrários, por exemplo, à suspensão de Trump dessas redes sociais.

Nesse sábado (9/1), o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (sem partido), convidou seus seguidores do Instagram a entrarem no Parler e o acompanharem por lá.

O fundador e CEO do Parler, John Matze, criticou as ações adotadas pelas gigantes da tecnologia e disse se tratar de uma censura à liberdade de expressão.

“Amazon, Google e Apple fizeram isso propositalmente como um esforço coordenado, sabendo que nossas opções seriam limitadas”, afirmou ele, na própria rede social.

Matze disse também o Parler é “a última esperança do mundo em termos de liberdade de expressão e informação” e que a suspensão adotada pelas empresas é vergonhosa.

“Esta é uma batalha contra todos nós. Liberais, conservadores, ateus, cristãos, negros, brancos, etc. Eles querem manter o monopólio da palavra”, prosseguiu.

0

Mais lidas
Últimas notícias