Britânica se passa por jornalista e forja dados de infectados pela Covid-19

Hannah Dean utilizou as redes sociais para compartilhar fotografias de hospitais em alas mais vazias

atualizado 13/01/2021 20:54

A britânica Hannah Dean, 30 anos, foi autuada por se passar por uma jornalista. A proposta das “publicações jornalísticas on-line” da mulher era fazer com que a comunidade assimilasse que a Covid-19 estaria em nível de regressão. Ela foi multada em 200 libras esterlinas após ter saído de casa sem nenhuma explicação plausível durante o período de lockdown, decretado pelo primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson.

Para Hannah, a mídia internacional estaria agindo de maneira mentirosa ao reportar que hospitais e postos de saúde estariam lotados em decorrência do aumento de casos da doença em todo o mundo. A cidadã chegou a fotografar alguns hospitais, como o Southampton General, em Southampton, o Hospital St Richard ‘s, em Chichester, e o Hospital Queen Alexandra, em Portsmouth.

No Facebook, Hannah compartilhou dados sem comprovação, além de instruir a população a não cumprir o isolamento social. “Esses hospitais não estão sob pressão. Você está sendo isolado e controlado pelo seu governo, por um vírus com uma taxa de recuperação de 99,7%”, disse.

O Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido (NHS) e a polícia de Portsmouth alertaram a população para não compactuar com a disseminação de fake news e acreditar apenas em dados oficiais, comprovados por agentes de saúde. “Nossos colegas em todo o NHS estão trabalhando a todo vapor para combater esse vírus e todos somos gratos por seus esforços contínuos”, declarou o Departamento de Polícia local em nota.

Além disso, a polícia de Portsmouth afirmou que as fotografias tiradas por Hannah mostram partes isoladas dos hospitais, por isso a pouca quantidade de pessoas.

O Reino Unido ultrapassou, recentemente, a faixa de 84,9 mil mortos. A campanha de vacinação no país foi iniciada em 8 de dezembro e já contemplou mais de 2 milhões de pessoas.

Últimas notícias