Aumenta o número de mortos após tiroteio em Viena, na Áustria

Até a manhã desta terça-feira (3/11) foram registrados quatro mortos e 14 feridos, dos quais sete estão em estado grave

atualizado 03/11/2020 10:30

Reprodução de vídeoRedes sociais/Reprodução

O Ministério do Interior da Áustria informou que mais uma vítima dos tiroteios registrados na noite da segunda-feira (2/11), em Viena, morreu na manhã desta terça (3/11). O número subiu para quatro.

O primeiro-ministro do país, Sebastian Kurz, classificou a ação como um ataque terrorista. “Infelizmente, uma pessoa morreu no hospital. Até agora, o saldo são dois homens e duas mulheres mortos”, afirmou um porta-voz do ministério.

De acordo com o redator-chefe do jornal Falter, um homem de 20 anos de origem albanesa foi morto. Ele portava um rifle automático e utilizava um falso colete de bombas. O suspeito estava na lista dos 90 extremistas austríacos que manifestaram ter a intenção de viajar para a Síria.

Há suspeita das autoridades locais de que “vários perpetradores” tenham realizado os ataques em, pelo menos, seis pontos distintos nas redondezas do local. Apenas um dos suspeitos foi detido. Ele usava um cinto de explosivos.

Segundo o prefeito Michael Ludwig, 14 feridos precisaram de atendimento em hospitais da cidade, sendo que metade deles se encontra em estado grave.

O primeiro-ministro disse pelas redes sociais que o país tem passado por “tempos difíceis”. Além disso, destacou que será realizado um minuto de silêncio em homenagem às vítimas às 12h desta terça.

“Hoje, às 12h, vamos recordar as vítimas com um minuto de silêncio nacional e, assim, expressar as nossas mais profundas condolências aos seus familiares e amigos”, escreveu Kurz.

Ele também ressaltou que o país não vai se deixar intimidar por esses atos e que defenderá os valores da democracia. “A Áustria não se intimidará com tais atos horríveis de terror. Juntos, defenderemos nossas sociedades abertas e valores democráticos”.

0

 

 

Últimas notícias