Após sitiar Kiev, Putin pede que militares ucranianos tomem o poder

Presidente russo sugeriu a derrubada do presidente da Ucrânia. A capital Kiev mobiliza tanques de guerra para expulsar tropas invasoras

atualizado 25/02/2022 13:30

Dois tanques russos atravessam fronteira da Ucrânia em meio a cidade deserta - MetrópolesSergei MalgavkoTASS via Getty Images

Na primeira declaração pública após sitiar a capital ucraniana, Kiev, o presidente russo, Vladimir Putin, pediu que militares do país derrubem o presidente Volodymyr Zelensky e tomem o poder.

Na quinta-feira (25/2), em pronunciamento transmitido ao vivo de Moscou, o líder russo afirmou que “será mais fácil” se o Exército assumir o controle da Ucrânia.

“Neonazistas estão fazendo todo o povo ucraniano de refém. Assumam o controle. É melhor do que trabalhar com essas pessoas que fizeram a Ucrânia refém”, frisou.

Além disso, o presidente russo elogiou a forma como as suas tropas estão agindo. “Estão combatendo de forma profissional, intensa e heroica. Estão cumprindo a nossa solicitação de defesa”, salientou.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Metrópoles (@metropoles)

Putin disse que o governo ucraniano tem “agido como agem os terroristas em todas as partes do mundo para matar civis e depois culpar a Rússia”.

“Negociações”

Antes da declaração de Putin, o porta-voz do governo russo, Dmitry Peskov, afirmou que o país está pronto para mandar uma delegação a Minsk, a capital da Belarus, para negociar com a Ucrânia.

Peskov disse às agências de notícias russas que a nação está disposta a enviar uma delegação que incluiria dirigentes dos ministérios da Defesa e das Relações Exteriores.

Segundo o porta-voz, a desmilitarização da Ucrânia seria uma parte essencial da negociação.

Invasão de Kiev e reação

O Ministério do Interior ucraniano confirmou que o Exército nacional iniciou uma operação para expulsar invasores de Kiev, capital do país e coração do poder. Nesta sexta-feira (25/2), em comunicado oficial, o governo informou que tanques militares foram colocados nas ruas da cidade. A reação ocorre horas após tropas russas chegarem à cidade.

A TV ucraniana está exibindo à população tutoriais de como montar coquetéis molotov — tipo de arma química incendiária. Essa seria uma forma de deter os invasores russos. Além disso, o governo confirmou a distribuição de 18 mil fuzis para civis.

O prefeito da cidade de Kiev, Vitaly Klitschko, afirmou que o município entrou em fase defensiva.

O Ministério da Defesa da Ucrânia declarou que as forças russas cercaram Kiev pelo distrito de Obolon, distante poucos quilômetros do centro de Kiev. A informação foi divulgada pelo jornal americano The New York Times.

Autoridades municipais disseram que a cidade está em “fase de defesa” e recomendaram que os moradores “preparem coquetéis molotov” para deter os invasores.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
Publicidade do parceiro Metrópoles 6
Publicidade do parceiro Metrópoles 7
0

A Embaixada da Ucrânia no Brasil informou que sete aviões russos, 30 tanques e 130 veículos blindados foram destruídos. Ao todo, 800 soldados russos foram mortos.

O governo ucraniano alertou a comunidade internacional sobre o aumento da radiação nuclear radioativa na região de Chernobyl. O local está sob controle russo.

A Ucrânia vive o segundo dia de bombardeios. O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, defendeu a ação militar e garantiu que os russos não pretendem recuar.

Mais lidas
Últimas notícias