Advogados e milícias de Lula falsificam direito de defesa

Há três anos Lula gasta milhões de reais e toma o tempo de juízes e tribunais com recursos, apelos, agravos e embargos em uma chicana

atualizado 28/11/2019 9:32

Rafaela Felicciano/Metrópoles

O julgamento do último recurso que o ex-presidente Lula socou em cima do Tribunal Regional Federal da 4ª Região é mais um exemplo da maciça falsificação do direito de defesa que ele próprio, seus advogados e suas milícias estão fazendo na Justiça brasileira.

Há três anos, pelo menos, Lula gasta milhões de reais e toma o tempo de juízes e de tribunais com a apresentação de recursos, apelos, agravos, embargos e tudo o mais que se pode imaginar em matéria de chicana jurídica para embaçar as suas condenações.

Gasta, junto, outros tantos milhões em dinheiro público ocupando tempo, gente e verbas do judiciário com os seus problemas penais – a justiça do Brasil, nesses anos, praticamente tem estado a serviço de um indivíduo só.

Isso não é se defender. É, apenas, o mais flagrante caso de contrafação dos direitos de um réu jamais visto na justiça brasileira. São centenas, literalmente, de ações feitas pelo ex-presidente, com as alegações mais fúteis e abusivas à sua disposição, para adiar, prolongar, confundir, complicar e, no fim das contas, sabotar as penas e decisões tomadas legalmente contra ele até agora.

Lula, no TRF-4, quis simplesmente anular a sentença de condenação que recebeu no seu segundo processo – com desculpas paupérrimas em termos de lógica, desonestas na argumentação e mal-intencionadas em tudo o mais.

Foi mais uma exigência absurda. Foi, também, mais um insulto a ideia de que os crimes neste país devem ser punidos, e que o tamanho do réu não lhe dá o direito de usar a justiça como um serviço de despachantes.

* Este texto representa as opiniões e ideias do autor.

Últimas notícias