Desprezado pelo PDT, Wasny de Roure anuncia filiação ao Partido Verde

Ex-deputado descobriu que, embora tenha feito festa quando migrou do PT para o PDT, o nome dele não foi enviado para o TRE-DF

atualizado 29/03/2022 16:32

Rafaela Felicciano/Metrópoles

O ex-deputado distrital Wasny de Roure (ex-PT) anunciou, nesta terça-feira (29/3), que vai se filiar ao Partido Verde (PV) para disputar uma cadeira na Câmara Legislativa (CLDF) nas eleições de outubro.

A confirmação ocorre após o ex-parlamentar ter alegado que, embora tenha feito um evento para celebrar a filiação ao Partido Democrático Trabalhista (PDT) desde 2019, identificou que a ficha não teria sido entregue pela sigla ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-DF).

Ao Metrópoles, o ex-deputado distrital (que também teve mandato na Câmara dos Deputados e concorreu ao Senado Federal pelo PT) afirmou que soube do problema na última sexta-feira (25/3).

Ele foi informado quando um colega realizou consulta junto ao TRE e viu que o último registro no órgão era a desfiliação do PT, partido do qual Wasny fez parte até maio de 2019.

“Não tem nenhum registro de filiação ao PDT nos Tribunais Regionais Eleitorais. A resposta que eu tive da secretaria do PDT é de que eles tinham me pedido o número do meu título de eleitor e eu não mandei. Ocorre que frequento as atividades do PDT com certa regularidade, não tenho nenhuma lembrança desse tipo de cobrança”, justificou.

Após confirmar a acolhida pela nova agremiação, Wasny afirmou que pretende disputar uma das 24 cadeiras da Câmara Legislativa (CLDF).

“Ainda não definimos uma data certa (para lançar a pré-candidatura), até porque quero fazer as coisas de acordo com a legislação. Mas a pretensão é a CLDF”, disse.

Histórico

Em 2019, Wasny saiu do PT, partido ao qual era filiado, e aceitou o convite para filiação ao PDT. A entrada do político na sigla foi comemorada em cerimônia com participação do presidente nacional do partido, Carlos Lupi, e de outros representantes da sigla.

A filiação foi registrada pelo próprio partido nas redes sociais e em sua página oficial. “Eu preenchi a ficha em um evento com o próprio presidente nacional, doutor Lupi, vários senadores, vários deputados. Foi notoriamente divulgado”, explicou.

O político afirmou que representantes do partido o procuraram novamente nesta semana e solicitaram a documentação para registrar a filiação. “Me senti muito constrangido. Isso é um ato que exige muita responsabilidade. Os partidos recebem fundos partidários, fundo eleitoral, precisam ter mais disciplina”, lamentou.

0

Filiação

Se quiser concorrer nas eleições de 2022, o deputado deve se filiar a algum partido até a próxima sexta-feira (1º/4), data em que termina o prazo estabelecido pela Justiça Eleitoral. Ao Metrópoles, Wasny, que atua nas áreas de educação e trabalho, explicou que pretende concorrer a uma vaga na Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF)

O político disse não saber se aceitará o chamado para se filiar ao PDT ou se irá procurar outra sigla. “Tenho poucos dias e tem muito pouco espaço neste momento. É uma batalha. Lamento profundamente, tenho enorme consideração pelos quadros do PDT”, concluiu.

A resposta do PDT

A secretária-geral do PDT no DF, Eroíes Lessa, deu a versão do partido sobre a confusão, e lamentou a possibilidade de Wasny ir para outra sigla.

“Para fazer a filiação você preenche uma ficha, que é colocada dentro do sistema, chama-se filiweb. O deputado se filiou no partido em 2019, e eu solicitei a ele o título de eleitor. Ele não me passou. Sem título, não consigo filiar no TSE. Fiquei no aguardo que ele me enviasse”, afirmou Lessa.

“A gente faz uma nova verificação quando vão encerrar as filiações, até porque posso filiar com data retroativa, não tem importância. Uma semana antes da candidatura a gente revê todas as filiações, se não tiver a documentação, a gente vai atrás das pessoas para pedir os dados. Pedi pela primeira vez em 2019”, continuou.

“Nesta semana, para a minha surpresa ele virou e falou para uma pessoa que não estava filiado. Falei: como assim, são dois anos. Fui procurar nos arquivos e achei a ficha dele. Lembrei que os documentos não foram enviados por ele. Cabe a ele enviar os dados do título, ele nunca me entregou. Nós amamos o Wasly, quando ele veio fiquei muito feliz porque era um ganho enorme. A gente o considera filiado, apesar de ele estar dizendo que pode estar saindo. Espero essa atitude de um filiado comum, não dele”, reclamou a secretária-geral do PDT no DF.

Quer ficar ligado em tudo o que rola no quadradinho? Siga o perfil do Metrópoles DF no Instagram.

 

Mais lidas
Últimas notícias