Decálogo do Bom Bebedor: Millôr Fernandes ensina sobre a bebida

No livro escrito em 1971, o autor traz frases importantes acerca do mundo etílico

TASSO MARCELO/ESTADÃO CONTEÚDOTASSO MARCELO/ESTADÃO CONTEÚDO

atualizado 14/01/2020 12:51

Quando eu era criança, a revista O Cruzeiro tinha uma página escrita e desenhada por Millôr Fernandes (1923-2012). Eu ficava fascinado por aquele caos imaginativo, que se destacava, mais ainda, por estar rodeado por outras laudas perfeitamente organizadas.

Passei a só comprar o chiclete Ping-Pong porque ele trazia figurinhas com frases do Millôr. A primeira peça de teatro adulto que assisti foi É…, de sua autoria, com a interpretação de Fernanda Montenegro. E continuei sendo seu fã e leitor por todas estas décadas que me separam da minha infância.

Vinícius Santa Rosa/Metrópoles

Por quase 60 anos, ele foi desenhista, humorista, dramaturgo, escritor, poeta, tradutor e jornalista. Além da Manchete, escreveu na revista Pif-Paf, Veja, Isto É, Tribuna da Imprensa, Correio da Manhã, O Pasquim e no Jornal do Brasil.

Imaginem a minha felicidade quando, em 1994, foi lançado o livro Millôr Definitivo – A Bíblia do Caos, com 5.142 citações, sobre dezenas de temas, produzidas pelo “irritante guru do Meyer” (assim ele se definia). Sobre o Decálogo do Bom Bebedor, escrito em 1971, só localizei sete das dicas, mas incluí outras três que também são do maior escritor sem estilo do mundo.

Beber

“Há pessoas que só bebem em circunstâncias muito especiais. Mas consideram especiais todas as circunstâncias em que bebem.”

Bebida

“Deve-se beber moderadamente, isto é, um pouco todos os dias. Isso não sendo possível, beber muito, sempre que der. Mas o abuso, como a moderação, tem que ser aprendido. O amador que abusa tende a ficar desabusado.”

Contraste

“Os moralistas criaram os Alcoólicos Anônimos. Os sibaritas (nas colunas sociais) criaram os Alcoólatras Famosos.”

Incongruência

“E as pessoas que dizem que não bebem, e bebem Coca-Cola?”

Moderação

“Bebendo com duas pessoas, você não deve beber mais do que a que bebe mais, nem menos do que a que bebe menos. Assim a que bebe mais não te achará um sórdido abstêmio nem a que bebe menos um bêbado inveterado. Ambas as conotações irão da que bebe menos para a que bebe mais e da que bebe mais para a que bebe menos. No meio – do copo – está a virtude.”

Night-Cap

“Uma dose antes de dormir (night-cap, não confundir com night-cup) ajuda a conciliar o sono. E várias doses ajudam a conciliar a insônia.”

Ocasião

“Quando a comida for boa, bebe para acompanhá-la. Quando a comida for ruim, bebe para suportá-la. Se a mulher for boa, bebe em homenagem a ela. Se a mulher te abandonou, bebe para esquecê-la. Bebe.”

Química

“Mudar a água em vinho sem auxílio de milagre (transubstanciação) só é possível com a conivência das autoridades (em)bromatológicas.”

Saída

“Quando te oferecerem bebida ruim, ou fora de hora, ou fora de propósito, ou inadequada à tua preferência, ou à geografia da ocasião, diz, gentilmente: Obrigado, eu não bebo.”

Técnica

“Antes de servi-la, enaltece a bebida que ofereces aos amigos. Se são conhecedores, louvarão o teu conhecimento. Se não forem, serão influenciados. E todos, à proporção que bebem, passarão a achar a bebida mais extraordinária. Assim estará formada a roda de aconchego e orgasmo do mundo alcoólatra. Que os abstêmios não conhecem. Nem compreendem.”

SOBRE O AUTOR
Sérgio Pires

Iniciou sua trajetória como enófilo na década de 1970. No final dos anos 1980, passou a estudar sistematicamente o tema e a realizar viagens a vinícolas. Após encerrar a carreira bancária, formou-se sommelier profissional pela Associação Brasileira de Sommeliers (ABS-DF/UPIS). Profissionalmente atua como consultor, palestrante, articulista e jurado em eventos de vinho. É diretor da ABS-DF e professor em todos os seus cursos.

Últimas notícias