Festival de Brasília: Bloqueio é novo olhar da greve dos caminhoneiros

Com direção de Victória Álvares e Quentin Delaroche, longa-metragem será exibido, nesta terça-feira (18/9), no Festival dos Festivais

atualizado 18/09/2018 10:11

Divulgação

A greve nacional dos caminhoneiros, realizada em maio deste ano, é o mote do longa-metragem Bloqueio. Dirigido por Victória Álvares e Quentin Delaroche, o documentário estreia na Mostra Competitiva do 51º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, nesta terça-feira (18/9), no Cine Brasília (106/107 Sul), às 21h. “A gente acredita na urgência de projetar esse filme e esperamos que ele viabilize o diálogo neste Brasil cada vez mais polarizado”, ressalta a cineasta Victória Álvares.

Victória e Quentim estavam em casa vendo os noticiários quando perceberam que aquele poderia se tornar um fato histórico para o país, como de fato aconteceu. “Pegamos as câmeras, alugamos um carro e passamos os últimos três dias de protestos com eles”, relembra Quentin.

De acordo com os diretores, uma das preocupações era ter uma abordagem diferente dá vigente nos meios de comunicação à época. Segundo eles, enquanto a mídia focava no desabastecimento causado pelo movimento, eles queriam entender as motivações.

“Nós fomos lá para ouvir, sem preconceitos, sem ideia pré-concebida. Entender os anseios daquela classe trabalhadora”, afirma Victória. Apesar das boas intenções, quebrar o “bloqueio” e desconfiança dos caminhoneiros não foi tarefa das mais fáceis.

“Eles tinham aversão a qualquer mídia, mas quando entenderam que estávamos ali para documentar, nos receberam melhor. Chegamos a dormir nas boleias dos caminhões”, completa.

Durante as filmagens, o que mais chamou a atenção dos cineastas foram as diferentes correntes ideológicas integrantes do movimento grevista. “Tinha gente pedindo pela volta da ditadura militar e outros favoráveis aos discurso de golpe, a respeito do impeachment de Dilma Rousseff. Todos convivendo e, de certa maneira, lutando junto por melhores condições de trabalho, em todos os sentidos”, observa Victória.

Movidos pelo desejo de registrar os fatos, os profissionais rechaçam a ideia de demonizar ou enaltecer a paralisação. Buscam trazer o olhar de dentro da situação. “É uma forma de exercer a simpatia pelo outro, independentemente da divergência de pensamentos”, conclui Victória.

Divulgação

Curta da noite
Conte Isso Àqueles que Dizem que Fomos Derrotados, curta de Aiano Bemfica, Camila Bastos, Cristiano Araújo e Pedro Maia de Brito, abre a mostra competitiva da noite.

Feito a quatro mãos, o curta-metragem Conte Isso Àqueles que Dizem que Fomos Derrotados conta com direção de Aiano Bemfica, Camila Bastos, Cristiano Araújo e Pedro Maia de Brito. A produção apresenta a resistência de cidadãos à atual cena política brasileira.

51º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro
Nesta terça-feira (18/9), a partir das 21h, no Cine Brasília (106/107 Sul). Mostra Competitiva: Conte Isso Àqueles que Dizem que Fomos Derrotados (MG/PE, 23min, livre) e Bloqueio (PE/RJ, 75min, 12 anos). Preço: R$ 12 (inteira) e R$ 6 (meia). Valores sujeitos a alterações sem aviso prévio. Informações: (61) 3244-1660 ou festivaldebrasilia.com.br 

Últimas notícias