Ex-presas políticas são ovacionadas no Festival de Brasília

Dois filmes dirigidos por mulheres abriram a mostra competitiva na 51ª edição do evento

atualizado 16/09/2018 0:38

Com expressiva participação feminina, a mostra competitiva do 51° Festival de Brasília começou com dois filmes dirigidos por mulheres: o curta Boca de Loba (CE) e o longa Torre das Donzelas (RJ).

Torre, documentário assinado por Susanna Lira, reúne depoimentos de presas políticas durante a ditadura. Uma das personagens entrevistadas é a ex-presidente Dilma Rousseff.

Quando as mulheres foram convidadas para subir ao palco, foram aplaudidas de pé pela plateia do Cine Brasília.

Luta
Lira classificou o filme como um instrumento de luta contra o fascismo atual. “É um grito de alerta para que isso não aconteça de novo”, disse, em referência à ditadura militar.

A cineasta Bárbara Cabeça apresentou ao público o curta feminista Boca de Loba (CE).

“Um filme sobre como é difícil ser mulher, o assédio que sofremos. Surge de um encontro de mulheres fodas de Fortaleza. Mulheres unidas, sempre, contra o inominável”, disse a diretora.

Últimas notícias