“Fedal” 40: Federer e Nadal disputam vaga na final de Wimbledon

Na reedição de duelo histórico de 2008, espanhol e suíço se enfrentam por um lugar na decisão do Grand Slam londrino

Getty ImagesGetty Images

atualizado 12/07/2019 2:14

A partir do meio-dia desta sexta-feira (12/07/2019), o mundo do tênis testemunhará o 40º encontro entre dois dos mais dominantes jogadores da história da modalidade. Em uma das semifinais de Wimbledon, o suíço Roger Federer e o espanhol Rafael Nadal duelarão por um lugar na decisão do Grand Slam (série de quatro torneios mais importantes do circuito mundial do tênis) londrino. Há 11 anos, os dois se enfrentaram justamente no jogo decisivo e deleitaram os torcedores com 4h48m de jogo. Para muitos, a final de Wimbledon 2008 foi a maior partida da história do tênis e rendeu, inclusive, um livro: Strokes of Genius (Batidas de Campeões, em tradução literal), do jornalista e autor norte-americano Lewis Jon Wertheim.

Apesar de estarem com mais de 35 anos, tanto Federer, quanto Nadal chegaram em grande fase na grama sagrada de Londres. O suíço conquistou o torneio de Halle pela décima vez na carreira, enquanto o espanhol perdeu apenas cinco jogos na temporada. A idade considerada avançada dos dois (o suíço tem 37 anos, enquanto o espanhol tem 33) não impediu que os dois fizessem uma boa campanha até o momento: somados, os tenistas perderam apenas três sets até agora no torneio. Durante a campanha, Federer alcançou a marca de 100 vitórias em Wimbledon, marca inédita em qualquer Grand Slam. Para se ter uma ideia da magnitude da partida desta sexta-feira, um ingresso para a partida pode custar a módica quantia de R$ 30 mil, em sites especializados em revenda de ingressos.

Em números absolutos, Rafael Nadal leva vantagem no confronto direto, com 24 vitórias contra 15 de Federer. Na grama, porém, foi o suíço quem venceu mais vezes: dois triunfos em três duelos. Mas na última vez em que os dois se enfrentaram, foi Nadal quem venceu, justamente na final de Wimbledon, no distante ano de 2008. Os dias que antecederam o confronto foram de elogios por parte de ambos os jogadores.

“Estar de volta às semifinais e jogar neste nível são boas notícias. Jogar contra Roger é uma situação única. Estar de volta nesta quadra significa muito depois de 11 anos. É emocionante estar diante dessa oportunidade. As oportunidades de jogarmos entre nós são cada vez menores”, revelou Nadal.

“Vai ser muito difícil. O Rafa (Nadal) pode machucar qualquer um em qualquer superfície. Ele é bom a esse ponto”, apontou Federer.

Outro lado da chave
Na outra semifinal, o sérvio Novak Djokovic, número 1 do mundo, e o espanhol Roberto Bautista Agut se enfrentam por um lugar na final. O líder do ranking mundial é o atual campeão do torneio e busca o bicampeonato neste ano. Já o espanhol viveu uma situação no mínimo curiosa durante a disputa no All England Club: com casamento marcado para os próximos meses, o tenista não esperava ir tão longe em Wimbledon, torneio que ele abandonou no ano passado por conta de uma lesão no quadril. Na semifinal, a despedida de solteiro dele, marcada para Ibiza, teve de ser remarcada.

Apesar de levar vantagem no confronto direto, tendo vencido sete dos dez jogos disputados entre os dois, Novak Djokovic vem tendo dificuldades diante de Bautista Agut em 2019. O espanhol saiu de quadra vencedor nos dois encontros entre os tenistas nesta temporada, em Doha e em Miami.

Últimas notícias