metropoles.com

O que mudou no mundo depois do primeiro Gre-Nal da Libertadores?

Depois daquele 12 de março houve pandemia, “bolhas” no esporte, Messi quase saindo do Barcelona e Jorge Jesus trocando Flamengo pelo Benfica

atualizado

Compartilhar notícia

Lucas Uebel/Getty Images
Gre-Nal
1 de 1 Gre-Nal - Foto: Lucas Uebel/Getty Images

Grêmio e Internacional voltam a se encontrar na Libertadores, nesta quarta-feira (23/9), às 21h30, após o primeiro Gre-Nal da história da competição, ocorrido em 12 de março. Naquela ocasião, o clássico terminou sem gols, mas com oito expulsos na Arena do Grêmio. Depois daquele dia, o mundo virou de cabeça para baixo. É como se houve um marco no tempo de “antes e depois” do Gre-Nal na Libertadores.

O clássico foi o penúltimo compromisso dos times antes da paralisação por causa da pandemia do novo coronavírus. Depois, o Grêmio venceu o São Luiz por 3 x 2 e o Inter bateu o São José-RS por 4 x 1, ambos pelo Campeonato Gaúcho.

Com a volta do futebol após a pausa, algumas coisas mudaram para os maiores do Rio Grande do Sul e outras nem tanto. Eduardo Coudet, por exemplo, que assumiu o comando do Inter para a temporada de 2020, já enfrentou o rival quatro vezes e não venceu nenhuma. São três derrotas e um empate, sendo um dos fracassos na final do Gauchão, que deu o título ao tricolor.

Mas, no Brasileirão e na Libertadores a situação é outra. O Colorado foi o líder do campeonato nacional por cinco rodadas e, atualmente, é o 2º colocado apenas um ponto atrás do Atlético-MG. No torneio internacional, o Inter ocupa o lugar mais alto do Grupo E e pode disparar se encerrar o jejum de vitória em Gre-Nais. O último triunfo no clássico foi em setembro de 2018, pela 24ª rodada do Brasileiro.

O cenário do Grêmio de Renato Gaúcho é conturbado. O Tricolor vem de derrota por 2 x 0 para o Universidad Católica, pela 3ª rodada da Libertadores, e é o 12º na tabela do torneio nacional. Em 10 jogos, o Imortal soma apenas 13 pontos, sendo duas vitórias, sete empates e uma derrota, e o desempenho do time até então está fazendo o treinador balançar no cargo. No Brasil, Renato é o técnico que está há mais tempo em um clube: 4 anos e 3 meses.

Confira outras mudanças que aconteceram no mundo, dos esporte e em geral, após o primeiro e marcante Gre-Nal em uma Libertadores.

Pandemia

Em 12 de março, ainda no começo da pandemia, o boletim do Ministério da Saúde informava o total de 25 casos confirmados e nenhum óbito pelo novo coronavírus no Brasil. Hoje, de acordo com a atualização mais recente do Ministério, o país registra 4.558.068 infectados e 137.272 mortos pela Covid-19.

 

Poucos dias depois do Gre-Nal, as medidas de segurança para prevenir a disseminação do vírus começaram a ser implementadas e praticamente todo o país parou, inclusive os torneios de futebol. No caso, a própria Libertadores foi oficialmente suspendida no dia 18, exatamente seis dias após o clássico gaúcho.

Grandes competições adiadas

Antes do adiamento oficial da competição sul-americana, no dia 17 de março, a UEFA e a Conmebol determinaram também a suspensão da Eurocopa e da Copa América, respectivamente. Uma semana depois, uma decisão de grandeza consideravelmente maior foi tomada.

Em 24 de março, o Comitê Olímpico Internacional (COI) adiou os Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 para 2021, mexendo com o planejamento de atletas de todo o planeta.

Esportes criaram bolhas

A NBA, liga americana de basquete, a NHL, liga americana de hóquei no gelo, a MLB, liga americana de baseball e a Liga dos Campeões criaram “bolhas” para retomar as temporadas. Os times e atletas foram concentrados numa única cidade (ou duas, no caso do torneio europeu) para que as chances de propagação do novo coronavírus fossem mínimas. E deu certo.

 

Messi quase fora do Barcelona

Após uma temporada decepcionante do Barcelona, a maior estrela do time, ídolo de gerações, Lionel Messi pediu para sair do clube. O argentino mandou um burofax (carta oficial) à diretoria da equipe, surgiram rumores de que ele teria acordado sua ida ao Manchester City, outros times entraram no radar, mas nada foi concretizado.

O camisa 10 do Barça acabou aceitando ficar no clube por mais um ano para evitar problemas, já que não conseguiria sair como queria, sem que fosse preciso pagar multa rescisória o acionar o clube na Justiça. O casamento de 20 anos ficou por um fio.

Jorge Jesus de volta a Portugal

O treinador português, Jorge Jesus, que marcou o futebol brasileiro e ergueu cinco taças pelo Flamengo em 2019 e 2020, renovou contrato com o clube carioca em 5 de junho. Um mês e 12 dias depois, exatamente, o Benfica anunciou a volta do treinador a Portugal.

 

Jesus escolheu voltar para o clube onde já havia passado seis anos de sua carreira, com a possibilidade de disputar a Champions novamente. Isso ele conseguiu, mas foi eliminado no primeiro jogo, ainda na fase qualificatória da competição. Para o lugar dele, o Flamengo contratou o espanhol Domènec Torrent.

Flamengo num patamar diferente

Com Torrent no comando, o Flamengo mudou da água para o vinho. Era de se esperar que o rendimento do clube caísse após o ano dos sonhos com Jorge Jesus, mas a torcida não achava que seria uma queda tão drástica.

O Rubro-Negro passou do time que fez 5 x 0 sobre o Grêmio, na semifinal da Libertadores, e que perdeu somente quatro jogos no comando do português, para ter cinco derrotas em 11 jogos com o espanhol. Sendo uma delas, justamente, um 5 x 0 para o Independiente del Valle, na competição sul-americana.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comEsportes

Você quer ficar por dentro das notícias de esportes e receber notificações em tempo real?