Corinthians é cobrado pela União em mais de R$ 566 milhões

As taxas são referentes a ações tributárias, de Imposto de Renda, Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), PIS e Cofins

Reprodução/InstagramReprodução/Instagram

atualizado 11/09/2019 9:27

A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) cobrou do Corinthians nesta terça-feira (10/09/2019) mais de R$ 566 milhões referentes a ações tributárias, de Imposto de Renda, Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), PIS e Cofins.

De acordo com a Folha de S. Paulo, os valores cobrados do time paulista estão separados em oito categorias junto à União e não incluem pagamentos acordados em programas de refinanciamento de dívidas, como o Profut (Programa de Modernização da Gestão de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro), de 2015.

O Corinthians reconhece a notificação, mas se diz isento das cobranças da União. Em nota enviada à Folha de S. Paulo, o clube cita casos de outros times brasileiros para se defender da cobrança. “Entendimento similar ao do clube extinguiu cobrança movida pela União contra o Club Athletico Paranaense, depois de decisão da Câmara Superior de Recursos Fiscais do Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais) em 2018″, diz o comunicado.

Últimas notícias