Entenda por que 2018 foi o ano da boy band coreana BTS

De ações humanitárias à quebra de recordes musicais, o septeto disparou em popularidade ao longo deste ano

BigHit/DivulgaçãoBigHit/Divulgação

atualizado 25/12/2018 18:22

O k-pop entrou no mercado ocidental com sucesso estrondoso em 2018. O grupo BTS abriu as portas para diversos outras bandas do segmento, chamando a atenção da imprensa e das premiações, como o MTV Music Awards. Com todo essas “honras”, a boy band certamente tem muito o que commemorar neste ano.

Nos Mnet Asian Music Awards (MAMA) 2018, ao receberem o prêmio de Artista do Ano (entre outros nove prêmios), os garotos do BTS se emocionaram. “No começo do ano, nós passamos por um período difícil, mentalmente”, disse Kim Seok-Jin, um dos vocalistas. “Então, nós conversamos e até consideramos dissolver o grupo, mas nós nos seguramos […]. Conseguir resultados tão bons é um alívio”, concluiu.

Pertencentes a Big Hit, agência de entretenimento muito menor que das outras bandas coreanas, o grupo precisou derrubar diversas barreiras desde sua fundação, em 2013. Nos últimos dois anos, desde o lançamento dos álbuns Wings e You Never Walk Alone, no entanto, a fama deles só tem aumentado. Atualmente, após quebrarem diversos recordes de vendas, passaram a figurar na lista de colaborações de nomes como Nicki Minaj, Steve Aoki, Desiigner e The Chainsmokers.

Os feitos, de fato, são impressionantes: eles foram primeiros artistas coreanos a chegar ao número 1 do Billboard 200, alcançar à 10ª posição no Billboard Hot 100 com o lançamento de Fake Love, tornaram-se o primeiro grupo coreano a receber a certificação de ouro pela RIAA (Recording Industry Association of America) com Mic Drop Remix – e depois DNA – e ainda conseguiram inéditos dois prêmios consecutivos nos Billboard Music Awards (em 2017 e 2018).

O BTS quebrou o recorde de Taylor Swift e obtiveram o maior número de views em um clipe no dia do lançamento. A faixa em questão é Fake Love, que também foi apresentada no American Music Awards.

Eles ainda foram os primeiros artistas coreanos a chegar à primeira posição no Billboard Artist 100, que faz o ranking dos artistas mais populares com base em vendas de álbuns e faixas, reprodução de canções no rádio, streaming e interação em mídias sociais com fãs. Eles ainda foram os primeiros artistas coreanos a receber uma nomeação pelo prêmio do Grammy, pelo melhor pacote de gravação. Embora não esteja entre as categorias de mais destaque, grandes artistas como Frank Sinatra começaram o sucesso nela.

Segundo Jeff Benjamin, da Billboard, esta conquista “é mais uma indicação da importância de times maiores que trabalham juntos para trazer não somente música de alta qualidade, mas visuais de alta categoria e um pacote que coincide com os temas representados pela música”. Benjamin ainda diz que a nomeação do grupo para um Grammy “marca um grande momento de inclusão e apreciação para os artistas coreanos, e é um passo importante para que consigam atenção da Recording Academy”.

Somente em 2018, o grupo lançou três álbuns – Love Yourself: Tear, Love Yourself: Answer e Face Yourself (japonês). Além disso, eles embarcaram em uma turnê, no mês de agosto, com 42 datas. São apresentações em Seul, na Coréia, Amesterdam, na Holanda, e Bangkok, na Tailândia. Mais shows ainda estão programados.

No final de 2017, o grupo também juntou forças com a Unicef para criar a campanha Love Myself, que visa combater a violência contra crianças e adolescentes. Desde então, eles já arrecadaram mais de US$ 1,4 milhão (dados atualizados em novembro 2018). O BTS ainda fez um discurso na Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, para o lançamento do projeto Generation Unlimited

O reconhecimento também veio acompanhado de frutos econômicos. Os rapazes tornaram-se embaixadores oficiais da Coca-Cola na Copa do Mundo 2018 e são patrocinados por algumas das maiores marcas do mundo, como a LG, Puma, VT Cosmetics, Lotte Duty Free e, mais recentemente, Hyundai.

Por conta do sucesso do BTS, outros grupos ganharam mais visibilidade. Confira: