Crítica: Madame X é um bom disco que não está à altura de Madonna

Como tudo que a rainha do pop faz, o álbum não é ruim, mas falta o tempero que marcou a carreira da superestrela

Michael Campanella/Getty ImagesMichael Campanella/Getty Images

atualizado 14/06/2019 20:21

Não há forma de começar este texto sem dizer um abobalhado clichê: Madonna é como pizza, até quando é ruim, é bom! Explico. A rainha do pop não ostenta esse título à toa, é uma das fundadoras de uma indústria que movimenta milhões e esteve na vanguarda em boa parte de seus 36 anos de carreira. Em Madame X, a popstar traz um disco correto, dançante, mas sem tempero e apelo.

Madonna, aos 60 anos, tem a incrível capacidade de se manter relevante em um mercado que tende a excluir mulheres mais velhas do jogo. Ela se recusa a sair, e o disco mostra isso: as faixas não são ruins, mas não têm o toque que tornou a cantora a “dona da porra toda”. São regulares, do início ao fim.

Kevin Mazur/Getty Images
Madonna se une com Maluma no ritmo do reggaeton

Essa conclusão, aliás, está presente desde MDNA (2012). No entanto, no álbum lançado há sete anos, a cantora estava atual, na mesma batida daquelas que brilhavam como novidades da cena. Agora, a mesma fórmula soa datada, mesmo que divertida de ouvir.

Logo de cara, Madonna apresenta Medellín, incensada parceria com Maluma. Radiofônica? Sim! Dançante? Claro. Mas, a essa altura do campeonato, a maior estrela do cenário quer entrar no mundo do reggaeton latino? Ideia escancarada em Bitch I’m Loca, também cantada ao lado do colombiano.

Anitta

O mesmo se repete em Faz Gostoso, na qual ela convida a brasileira Anitta. Enquanto, para a nossa funkeira, gravar com Madonna é algo para colocar em caps lock no currículo, novamente parece que a rainha do pop busca no óbvio sua maneira de se manter relevante.

Instagram/Reprodução

Podem parecer palavras duras, mas é que de Madonna sempre se espera um nadar contra a corrente, buscar um refúgio menos seguro. A tal banalizada expressão “reinventar o pop” é a cara da artista. Mas Madame X é uma sucessão de singles mais do mesmo.

Acha injusto? Então, proponho uma pergunta: você trocaria a coletânea The Immaculate Collection por Madame X? Pois é!

Fracassou?

No entanto, engana-se quem acha que o disco é um fiasco. Longe disso: o talento de Madonna a mantém muito afastada de um fracasso total. Há seus bons momentos, como Dark Ballet ou God Control – uma das minhas favoritas. Esta faixa, inclusive, tem direito a um coral. Maravilhoso! Madonna ao extremo.

Michael Campanella/Getty Images
Madonna durante o Eurovision 2019

Madonna é incrível. Seu lugar no panteão do pop está assegurado para sempre. Se os últimos trabalhos têm sido regulares, azar deles. Quem já fez Like a Prayer, Like a Virgin e, mais recentemente, Hung Up, já contribuiu para nossa diversão mais que qualquer “topo das paradas” atuais.

Mal ou bem, volte sempre, Madonna!

Avaliação: Bom

Últimas notícias