Análise: Dona Hermínia, obra-prima de Paulo Gustavo, será imortal

Além dos filmes, a personagem poderá voltar em série do Globoplay: sucesso de público e crítica

atualizado 04/05/2021 23:47

Paulo Gustavo, que morreu nesta terça-feira (4/5), aos 42 anos, vítima de complicações da Covid-19, será lembrado por várias coisas. Entre as principais, os números impressionantes de bilheteria conseguidos com os filmes Minha Mãe É Uma Peça, tornando a franquia a mais popular do Brasil. Assim, com Dona Hermínia, o comediante criou a mãe mais querida do Brasil.

0

Paulo Gustavo, seus produtores, roteiristas e colegas de elenco, são parte da cultura pop brasileira: Dona Hermínia, com seu jeito amoroso e briguento, virou uma personagem reconhecida em todo o país. Quem não conhecia o grito “Marcelinaaaa”?

Um dos grandes méritos da cultura pop é a identificação: o público quer se ver na tela. E Dona Hermínia tinha essa capacidade, juntava um pouco de grande parte das mães brasileiras – principalmente daquelas da classe média do país, que eram a fonte de inspiração do humorista. Assim, virou uma personagem que ninguém conseguiu esquecer e arrebatou multidões para os cinemas brasileiros.

O primeiro longa levou mais de 4,6 milhões de pessoas aos cinemas. O segundo filme foi visto por mais de 9 milhões, com renda superior a R$ 124 milhões. Minha Mãe é Uma Peça 3 foi um estouro, com 9,3 milhões de pessoas indo ver o longa.

Em entrevista ao Metrópoles, após o lançamento do terceiro filme, Paulo Gustavo falou que Dona Hermínia era uma junção de todas as mães brasileiras, por isso atraía tanto o público. E a personagem teria vida longa.

Paulo Gustavo, que criou a personagem no teatro, ia levá-la para o streaming. Dona Hermínia teria (ou terá, ainda não se sabe) uma série no Globoplay – a produção foi gravada antes da morte do ator. Seria mais um ato de sucesso, com certeza.

A mãe mais famosa do Brasil morreu na semana do Dias das Mães, o segundo da pandemia, aumentado a tristeza de uma nação que já perdeu 411 mil mães, pais, irmãos, tios e tias…

Últimas notícias