STF analisa recurso de Arruda sobre o escândalo dos panetones

Primeira Turma do Supremo irá julgar se recurso de ex-governador para reverter condenação no TJDFT poderá ser analisado no plenário da Corte

atualizado 04/12/2020 17:55

José Roberto ArrudaDaniel Ferreira/Metrópoles

O Supremo Tribunal Federal (STF) começou nesta sexta-feira (4/12) a julgar recurso do ex-governador José Roberto Arruda (PL) contra a condenação pelo crime de falsidade ideológica no caso do escândalo dos panetones.

O relator, ministro Marco Aurélio, negou o agravo apresentado pela defesa do ex-governador. Agora, a 1ª Turma vai analisar o caso. O julgamento deverá se estender até 14 de dezembro de 2020.

Segundo o advogado de defesa do ex-governador, Paulo Emílio Catta Preta, caso o agravo seja acolhido, o recurso de Arruda para reverter a condenação seguirá para análise no plenário do STF.

Conforme a Coluna Grande Angular noticiou, o ministro Marco Aurélio negou o pedido dos defensores. Segundo o magistrado, a peça foi apresentada fora do prazo.

O caso

Arruda foi acusado de ter falsificado quatro recibos para justificar o recebimento de R$ 50 mil de Durval Barbosa, ex-secretário de Relações Institucionais do DF e delator do esquema de corrupção revelado pela Caixa de Pandora.

A entrega do dinheiro, em espécie, foi filmada em vídeo. O ex-governador afirmou tratar-se de doação para a compra de panetones, a serem distribuídos no período natalino para pessoas carentes.

Em 2017, o juiz Paulo Carmona, da 7ª Vara Criminal de Brasília do Tribunal de Justiça do DF e Territórios (TJDFT), condenou o político. A 3ª Turma Criminal manteve a condenação, reduzindo a pena para 2 anos e 11 meses de prisão.

Últimas notícias