A partir do próximo mês, 200 servidores da Secretaria de Saúde (SES) afastados do trabalho por problemas decorrentes de saúde mental receberão atendimento diferenciado e participarão de projeto de pesquisa sobre as causas do adoecimento no trabalho. A parceria, firmada entre a Secretaria de Saúde e o Centro de Atendimento e Estudos da Saúde do Servidor do DF (Espaço NovaMente), também abrirá vagas para trabalhadores em processo de afastamento, em uma segunda etapa.

Segundo dados da secretaria, entre 2015 e 2017 foram registrados mais de 60 mil afastamentos de servidores da pasta. Desses, 22,6% correspondem a problemas como depressão, ansiedade e estresse grave. Isso significa que a cada cinco servidores, um se afasta por problemas de saúde mental.

No projeto, os servidores passarão por uma triagem inicial e receberão atendimento multidisciplinar –são profissionais da psicologia, terapia ocupacional, fisioterapia, enfermagem, educação física e serviço social. O local também fará uma ponte com os serviços já ofertados pela rede de assistência e acompanhará o tratamento dos servidores.

“Nós passamos anos assistindo a os servidores adoecerem, se afastarem e não retornarem para seus postos. Isso é um custo alto para o Estado, mas um custo altíssimo para esse profissional, que perde o gosto pelo trabalho. Diante da inércia do Estado, decidimos agir”, explica a presidente do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Brasília (SindSaúde), Marli Rodrigues, responsável pelo projeto.

Ao mesmo tempo que cuida dos servidores, o centro iniciou um projeto de pesquisa das causas do adoecimento dos servidores públicos. “Só conhecendo a fundo as causas de tantos afastamentos, poderemos auxiliar na criação e qualificação de políticas públicas efetivas para esses trabalhadores”, completou o diretor-técnico da NovaMente, o psicólogo Lucio Costa.

O espaço funciona no Guará, com 4 mil metros quadrados de área verde. Além dos consultórios para atendimento, há lugar para acompanhantes, redário, sala de pesquisa, ambientes ao ar livre e para atividades em grupo. “Precisamos cada vez mais disponibilizar condições de trabalho e oferecer atendimento eficiente quando já há o adoecimento”, disse o secretário de Saúde, Osnei Okumoto.

Encaminhamento
O atendimento dos servidores não vai gerar custo aos trabalhadores nem para a Secretaria de Saúde. Os 200 trabalhadores afastados serão encaminhados pela Subsecretaria de Gestão de Pessoas e Diretoria de Saúde Mental da SES nos próximos dias. (Com informações do SindSaúde)