Servidor é exonerado e se retrata de comentário feito no Twitter

Comissionado estava lotado em cargo de assessor técnico da Diretoria de Transporte da Coordenação, na Casa Civil

Hugo Barreto/MetrópolesHugo Barreto/Metrópoles

atualizado 24/01/2020 22:02

A Subsecretaria de Administração Geral da Casa Civil do Distrito Federal exonerou, na noite desta sexta-feira (24/01/2020), um servidor lotado no cargo de assessor técnico da Diretoria de Transporte da Coordenação.

Mais cedo, Orlando Medeiros Pita havia feito um comentário em publicação do portal G1 no Twitter. A postagem anexava uma matéria sobre a decisão da Justiça do Distrito Federal de submeter o policial civil Péricles Marques Portela Junior, 39 anos, a júri popular. O agente é acusado de assassinar o tenente da Polícia Militar (PMDF) Herison de Oliveira Bezerra, em abril do ano passado.

Em sua conta, Pita publicou: “Se o Tiago [de Souza Joaquim], que matou a esposa com uma faca, pegou 8 anos porque a faca escorregou e deu três facadas, esse policial tem que ser inocentado, pois ladrão que mata ladrão tem perdão”.

O funcionário público se referia à condenação de Tiago de Souza Joaquim, acusado de matar a própria esposa, Vanilma Martins dos Santos, de 30 anos. Os jurados não reconheceram o crime de feminicídio nem de homicídio doloso (com intenção de matar), mas por lesão corporal seguida de morte.

À noite, Orlando voltou atrás do comentário. “Boa noite. Quero me retratar sobre um comentário que fiz no Twitter. Peço desculpas sinceras a todos os policiais, pois tenho o maior respeito pela instituição. Vou ficar mais atento ao que posto em redes sociais”, disse no Facebook.

Veja as publicações abaixo: 

A reportagem não havia conseguido localizar o servidor até a última atualização desta matéria. O espaço está aberto para manifestações.

Últimas notícias