*
 

Vigilantes da Ipanema Segurança que pegaram empréstimos consignados acusam a empresa de descontar os valores das parcelas dos contracheques e não repassá-los ao Banco de Brasília (BRB). O sindicato da categoria denuncia que, devido à situação, cerca de 500 profissionais estão com o nome sujo em órgãos como o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e a Centralização de Serviços dos Bancos (Serasa).

Segundo o Sindicato dos Vigilantes do Distrito Federal (Sindesv-DF), embora os profissionais estejam indignados, eles têm evitado subir o tom das reclamações pois temem sofrer represálias. Ainda assim, sobram relatos de problemas. “Eu já nem vou mais em lojas se tiver que fazer compra a prazo. Sei que será recusada e não quero passar vergonha. Isso é um absurdo, porque a dívida tem sido descontada do meu salário”, contou um vigilante ao Metrópoles.

Outro homem disse que a situação dele é ainda pior, pois não conseguiu um financiamento e, assim, foi impedido de comprar um imóvel por estar com o nome no SPC. “Eu trabalho na empresa há mais de 10 anos e nunca pensei que isso poderia acontecer. De repente, recebi uma carta avisando que meu nome estava sujo. Liguei para ver o motivo e descobri que o banco não recebeu as últimas quatro parcelas que eu tive descontadas do meu salário”, afirmou.

Um sem casa, outro sem carro
Uma trabalhadora disse à reportagem que tentou financiar um veículo usado, o que ajudaria no transporte de toda a família, mas, quando entregou a papelada em uma financeira para ter o crédito aprovado, recebeu a má notícia. “A gente está abrindo mão de vários sonhos por conta disso”, desabafou.

Segundo o Sindicato dos Vigilantes, relatos do gênero começaram no início do ano, mas se multiplicaram nos últimos três meses. “Os funcionários reclamam que, quando ligam na empresa e pedem para que a situação seja regularizada, a pessoa que atende diz que ‘é assim mesmo’, e ‘quem quiser que procure a Justiça’”, denuncia Gilmar Rodrigues, secretário de Imprensa do Sindesv-DF.

Ipanema admite atraso
Acionada pela reportagem para comentar o caso, a Ipanema negou que o problema se arraste há meses, conforme denunciou o sindicato, mas admitiu atraso no repasse. Na segunda-feira (31/7), uma funcionária da área financeira disse que há “uma única parcela não repassada para o banco, referente ao mês de julho”.

A mulher, que não se identificou, prometeu que um diretor da empresa daria retorno à reportagem, de forma oficial, para explicar a situação.Como ninguém retornou, um novo contato foi feito na terça (1º/8) pelo Metrópoles e a Ipanema disse que ninguém falaria mais sobre a situação dos funcionários.

Sigilo bancário
O BRB, por sua vez, confirmou que trabalhadores da empresa de vigilância contraíram empréstimos com a instituição. “A Financeira BRB e a Ipanema Segurança celebraram convênio para a concessão de empréstimos consignados”, disse. No entanto, o banco não detalhou se há inadimplência.

Em relação ao processamento dos descontos nas folhas de pagamento, apenas a empresa poderia confirmar os débitos, uma vez que a Financeira BRB não dispõe dessas informações atinentes à gestão da folha. Quanto a informações de contratos, devido a questões relacionadas a regras de sigilo bancário dos clientes, não podemos informar"
Trecho de nota do BRB

Outros problemas
Esse é só mais um dos problemas relatados pelos vigilantes do DF. Frequentemente, eles reclamam da falta de pagamento por parte das empresas que, em sua maioria, prestam serviços ao Governo do Distrito Federal. Em abril, por exemplo, a categoria chegou a paralisar as atividades em busca de aumento salarial, reajuste no vale-alimentação e o fim das contratações de trabalhadores por hora.

Em fevereiro, o Tribunal de Contas do DF suspendeu uma licitação do GDF para a contratação de novos vigilantes e acusou o governo de estar inadimplente com diversas empresas que prestam o serviço, principalmente as que têm contratos com a Secretaria de Saúde.

 

 

COMENTE

GDFBRBvigilantesIpanema Segurança
comunicar erro à redação

Leia mais: Segurança