PCDF prende bando que lucrou R$ 4 milhões com “golpe do protesto”

Os alvos são integrantes de uma associação criminosa acusada de estelionato e receptação que fez vítimas em todo o país

Rafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 11/12/2019 9:40

Oito mandados de prisão e nove de busca e apreensão são cumpridos na manhã desta quarta-feira (11/12/2019) por policiais da Coordenação de Repressão aos Crimes contra o Consumidor, a Propriedade Imaterial e a Fraudes (Corf). Os alvos são integrantes de uma associação criminosa acusada de estelionato e receptação. De acordo com os investigadores, os suspeitos faziam vítimas em todo o país com o “golpe do protesto.”

Em função disso, a operação recebeu o nome de Protesto. Os agentes também fazem apreensões de objetos na Zona Norte de São Paulo (SP).

Segundo a PCDF, os alvos atuam da seguinte forma: eles ligam para uma vítima já em posse de informações acerca de um título que estava protestado em algum cartório dos estados ou em fase de protesto, depois identificam-se como serventuários de cartório e convencem a vítima a depositar os valores na conta-corrente de um pretenso tabelião sob o argumento de que a dívida será quitada e o nome da pessoa ou o da empresa da vítima não constará em cadastros de inadimplentes.

Durante as apurações, os investigadores identificaram ao menos 81 crimes de estelionatos, entre consumados e tentados contra vítimas do DF. Segundo a Corf, foi constatado que o bando também atua em Goiás e Mato Grosso do Sul. Estima-se que, com a prática do golpe, a quadrilha embolsou, em seis anos, R$ 4 milhões. Para a operação, foram mobilizados 46 policiais, além do apoio da Polícia Civil de São Paulo.

Últimas notícias