*
 

A Polícia Civil do Distrito Federal investiga o roubo com restrição de liberdade (sequestro relâmpago) de um universitário de 23 anos, em Ceilândia. O rapaz teria sido rendido no trânsito por um bandido, que, segundo ele, fingiu entregar panfleto para abordá-lo. A vítima foi deixada a 197km de distância em Goiânia (GO).

O estudante de odontologia na Universidade Católica de Brasília (UCB) conversou com o Metrópoles. Segundo o relato, ele havia acabado de sair do estágio, em Ceilândia, na segunda-feira (14/5), quando parou o carro, um VW Gol, no semáforo entre a QNM 25 e QNM 33, e foi abordado por suposto panfleteiro.

“Abaixei o vidro para pegar o panfleto. Ele tirou a arma de dentro da jaqueta e pediu para abrir a porta traseira. Entrou e me mandou pegar a rodovia rumo a Goiânia”, contou o jovem sob condição de anonimato, por medo de represália.

Ainda segundo o estudante, o bandido demonstrou experiência: desligou o celular da vítima, ordenou que virasse o retrovisor interno — para evitar ser reconhecido — e limpou com um pano as partes do veículo onde tocava.

O universitário contou também que seguiu a Goiânia, pela BR-060, sob constantes ameaças de morte. Chegando à capital de Goiás, ele teria estacionado em área deserta, a mando do criminoso. Na sequência, o ladrão, segundo o jovem, teria usado uma corda para amordaçá-lo.

“Ele me pediu para engolir um comprimido. Eu o coloquei embaixo da língua, para enganá-lo, mas ele percebeu e apontou a arma. Disse que me mataria se eu não ingerisse"
Suposta vítima de roubo

Na sequência, o bandido teria trancado a vítima no porta-malas e fugido levando apenas “uns R$ 25, R$ 30”, deixando para trás celular e a carteira do jovem. “Apaguei e só acordei no outro dia, com um policial abrindo o porta-malas”, relatou.

O resgate teria ocorrido por volta das 7h d terça (15), cerca de 17 horas depois que o criminoso o teria abandonado. Segundo o rapaz, a polícia chegou até ele porque o carro tem rastreador. O pai dele, então, repassou à polícia as coordenadas do veículo.

Investigação
A Polícia Civil informou à reportagem que familiares registraram desaparecimento do jovem às 0h32 de terça, na 4ª DP (Guará). No entanto, quem comanda a investigação é o delegado-chefe da 15ª DP (Ceilândia Sul), André Luís da Costa Leite.

“Estamos em fase de validação de informações. Procurando câmeras do local do suposto crime e dos pedágios pelo qual passaram. Ele (vítima) disse que foi uma pessoa, vamos averiguar se foi mesmo, aguardar perícia do carro para tentar localizar digitais”, afirmou.

O universitário passou por exames toxicológico e de corpo de delito, nesta quarta (16), que poderão identificar a substância que teria sido ingerida por ele.