O Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do Distrito Federal (Sindepo-DF) aprovou, em assembleia realizada na tarde desta terça-feira (19/2), a proposta de paridade entre as polícias Civil e Federal anunciada pelo governador, Ibaneis Rocha (MDB). Apenas dois membros do sindicato se mostraram contrários às condições anunciadas pelo emedebista.

Presidente do Sindepo, Rafael Sampaio viu com bons olhos a proposta de Ibaneis e disse ter recebido “com otimismo” o anúncio. “O governo fez o que pôde. Não só o DF, mas outras unidades da Federação passam por dificuldades. O governador cumpriu o que prometeu em campanha. Inclusive, os delegados estão muito satisfeitos e também aprovaram uma moção de apoio irrestrito ao GDF”, disse ao Metrópoles.

Mais cedo, Ibaneis assegurou que o Governo do Distrito Federal honrará o compromisso de elevar os salários da corporação em 37%. O Executivo local se dispõe a pagar a correção em seis parcelas ao longo dos próximos três anos.

De acordo com o apresentado pelo governador, o reajuste será dado em duas parcelas anuais, inicialmente nos meses de abril e setembro. A ideia é conceder 10% da equiparação em 2019, 13% em 2020 e o restante em 2021. De acordo com cálculos do secretário de Fazenda, André Clemente, o impacto na folha de 2019 será de R$ 96 milhões.

O Sindicato dos Peritos Criminais Oficiais do Distrito Federal (Sindiperícia/DF) também fez assembleia e aprovou a proposta de recomposição salarial. Apesar de não estar dentro do que a categoria anseia como ideal, os peritos entenderam que o momento político e econômico são desfavoráveis para a concessão dos 37% de forma diferenciada.

“Os peritos criminais oficiais da PCDF reconhecem o empenho do governo e sua equipe econômica em elaborar a proposta e o compromisso em adequar as parcelas em função de eventuais reajustes concedidos à Polícia Federal, demonstrando mais uma vez o reconhecimento da histórica paridade entre as polícias Federal e Civil”, destacou a entidade em nota.

A proposta ainda precisa ser submetida ao governo federal e ao Congresso Nacional por se tratar de recursos do Fundo Constitucional. A equipe econômica do GDF está fazendo os últimos ajustes na mensagem que deverá ser enviada.

“É fruto de uma longa negociação, principalmente com os sindicatos, que sempre se colocaram à disposição. Tratamos esse processo com transparência, colocando as planilhas na mesa e deixando que fizessem sugestões. É o projeto nosso em relação às polícias, começando pela Civil, justamente para valorizá-las”, afirmou Ibaneis.

O emedebista disse que o GDF está na fase final de ajustes para recomposições salariais da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros. “As tratativas estão avançadas”, resumiu o governador.

Segundo o secretário de Segurança Pública, Anderson Torres, o GDF só vai encaminhar a mensagem ao governo federal após o Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol) apresentar a proposta para avaliação dos policiais. “Não vamos mandar sem a adesão da categoria”, garantiu. Ele fez questão de destacar o empenho do Palácio do Buriti nesta questão. “É um esforço do governo. Desde o primeiro dia, estamos trabalhando para honrar os compromissos de campanha do governador e atender a população em geral”, completou.

Os servidores da PCDF devem fazer assembleia para avaliar o assunto. “Confesso que esperava algo melhor, mas a decisão está nas mãos dos policiais. O governador se comprometeu a enviar a proposta para o governo federal no dia seguinte, assim que o acordo for aceito pelos trabalhadores”, disse Rodrigo Franco, presidente do Sinpol.

Concurso
No evento desta terça-feira (19/2), Ibaneis também anunciou o lançamento de concurso público para contratar 1,8 mil servidores para a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) – 1,5 mil agentes e 300 escrivães. A previsão é colocar o edital na praça entre abril e maio deste ano. Com a medida, o governador pretende recompor os quadros da polícia em médio e longo prazo.

Sobre os concursos realizados ainda em validade, o secretário de Segurança antecipou que pretende fazer as convocações ainda em 2019. “Nós temos vagas para papiloscopista, delegados e outros aprovados. Nossa ideia é também nomeá-los nos próximos meses”, contou Anderson Torres.

Delegacias
O governador comunicou ainda a reabertura de duas delegacias de polícia. As unidades do Riacho Fundo I (29ª) e a de Vicente Pires (38ª) estarão de portas abertas a partir desta terça. Com isso, o Distrito Federal terá 25 DPs funcionando 24 horas por dia. Além disso, o chefe do Executivo entregou 109 novas viaturas.

O Sindicato da Polícia Civil elogiou a ação do governo, sinalizando uma relação amistosa com o Buriti. “É um recomeço. A gente precisa muito da Polícia Civil. Está aí a primeira amostra, e estamos trabalhando em novas coisas”, garantiu o secretário.

Segundo o líder do governo na Câmara, deputado distrital Cláudio Abrantes (PDT), a contratação de voluntários tem sido determinante não apenas para a reabertura das delegacias mas também para a melhoria do trabalho como um todo. “Passa de uma década uma Polícia Civil que seja reconhecida e acolhida como está sendo agora”, afirmou.

Ibaneis assumiu o Palácio do Buriti enfrentando o problema de 14 delegacias fechadas depois das 19h e sem funcionamento nos fins de semana. Contando com as duas novas unidades reabertas, o Executivo conseguiu regularizar o funcionamento de oito delegacias. Inicialmente, a promessa do governo era resolver toda a questão até 14 de fevereiro.

O GDF já havia reaberto as portas da 35ª DP, responsável por Sobradinho II, e da 23ª DP, localizada no P Sul. O esforço concentrado do Buriti também permitiu a retomada do funcionamento 24 horas da 2ª DP, na Asa Norte, da 11ª DP, no Núcleo Bandeirante, da 19ª DP, em Ceilândia, e da 39ª DP, encarregada de Samambaia Sul.