Águas Claras: ex-marido de jovem achada morta pelos filhos depõe

O homem saiu da prisão no último sábado (23/11/2019) e Fabrícia foi achada morta dois dias depois. Por enquanto, ele não é suspeito

atualizado 26/11/2019 18:24

delegaciaRafaela Felicciano/Metrópoles

A morte de uma moradora de Águas Claras ainda é um mistério para parentes e amigos. O corpo de Fabrícia Otoni Moraes, 26 anos, foi encontrado na manhã dessa segunda-feira (25/11/2019) pelos três filhos pequenos na casa onde a família morava, localizada na QS 11, do Areal. O ex-companheiro da vítima prestou depoimento na 21ª Delegacia de Polícia (Pistão Sul), que investiga o caso.

O homem saiu da prisão no último sábado (23/11/2019). Ele ficou preso por dois meses após descumprir medidas protetivas. À polícia, o ex-marido de Fabrícia afirmou que não teve contato com a mulher no fim de semana e que, desta vez, estava cumprindo a determinação judicial.

Um vizinho relatou em depoimento que conhece o casal há muitos anos e que os dois sempre tiveram uma relação conturbada. O delegado Hudson Araújo da 21ª DP, no entanto, pondera que o ex-parceiro da jovem ainda não é tratado como suspeito.

“Não há indícios de que ele tenha ido à residência dela. Também temos o relato de que a vítima estava doente e teria ido à UPA do Núcleo Bandeirante na última sexta-feira. A ocorrência ficou como em apuração. Os peritos da Polícia Civil têm prazo de 30 dias para emitirem os laudos. Até lá, ficaremos no aguardo para saber a causa da morte”, pontuou o investigador.

A mãe de Fabrícia reforçou em depoimento que a filha estava passando mal desde a semana passada. A família não soube detalhar do que se tratava especificamente.

Boca sangrando
Segundo a ocorrência, quando os policiais chegaram ao imóvel, Fabrícia Otoni Moraes já estava sem vida e com a boca sangrando. Uma testemunha relatou que, por volta das 8h30, três crianças bateram no portão de sua casa – eram os filhos da mulher.

O morador afirmou que os pequenos estavam chorando, pedindo socorro e falando que a mãe deles estava passando mal. O homem seguiu até o imóvel e viu a jovem deitada na cama, meio na diagonal. A vítima se encontrava com uma perna escorada na parede, com olhos entreabertos e braços para cima, próximos à cabeça. O corpo já estava frio, com ausência de pulsação e respiração, com indícios de morte.

O homem ligou para o 190 e informou a situação. Após cerca de 20 minutos, uma viatura da Polícia Militar chegou ao endereço. O Samu também foi acionado e constatou o óbito. Ainda de acordo com o boletim de ocorrência, não havia vestígio de violência nem marcas de sangue no local.

O vizinho afirmou que conhece o casal há muitos anos e que os dois sempre tiveram uma relação conturbada. O caso foi registrado, inicialmente, como homicídio. No entanto, a natureza da ocorrência pode mudar de acordo com as investigações.

Últimas notícias