Mandetta: “OMS demorou para declarar pandemia de coronavírus”

Após dizer que vinha alertando há semanas para a necessidade de mudar o nível de alerta, ministro da Saúde afirma que planejamento não muda

atualizado 16/03/2020 11:52

ministro luiz henrique mandettaFoto: Andre Borges/Esp. Metrópoles

Durante a sessão extraordinária da comissão geral na Câmara dos Deputados, nesta quarta-feira (11/03), o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta criticou a demora da Organização Mundial de Saúde (OMS) em decretar pandemia de coronavírus. “Demorou”, afirmou.

Mandetta tem afirmado há semanas a necessidade de mudar a classificação da epidemia. Ele explicou que a decisão do órgão nada muda o posicionamento do governo brasileiro, que já está se preparando para a possibilidade desde a última semana. Mas alegou que a demora na declaração de pandemia pode ser uma das razões pelas quais a Itália está na situação grave em que está.

No dia em que o ministério confirmou o primeiro caso de coronavírus no Brasil, em 26 de fevereiro, o ministro declarou: “Muito em breve a OMS terá de considerar o novo coronavírus como pandemia. Aliás, já tem critérios para (considerar). Já deveriam ter inclusive dado nota sobre”, disse Mandetta em coletiva de imprensa. A pasta estava preocupada em ampliar o controle sobre viajantes, mesmo os que retornavam de países ainda sem grande número de casos ou das chamadas transmissões internas.

Balanço

Segundo o Ministério da Saúde, o Distrito Federal possui dois casos confirmados e 74 suspeitos do novo coronavírus. A pasta informa que foram descartados 28 pacientes que se encaixavam na definição.

No Brasil, até o momento, o país tem 52 casos confirmados, 907 sob investigação e 935 descartados. Foram incluídos os casos de Porto Alegre e outros dois no Rio de Janeiro. Agora, há casos registrados no estado fluminense, Espírito Santo, Bahia, São Paulo, Alagoas, Rio Grande do Sul, Distrito Federal e Minas Gerais.

Pandemia

A reclassificação para pandemia ocorreu horas após o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, declarar que a ameaça de uma pandemia do coronavírus se tornou “bastante real”. Até então, ele afirmava, em seguidos pronunciamentos, que a doença poderia ser contida.

No mundo, há mais de 118 mil casos em 114 países e 4.291 mortes em decorrência da doença. Os sintomas da Covid-19 são semelhantes aos de uma gripe comum na maioria das pessoas e, para evitar a propagação do vírus, os órgãos recomendam medidas de higiene simples, como lavar as mãos regularmente e usar álcool em gel.

De acordo com a OMS, o número de casos, mortes e países afetados deve subir nos próximos dias. Nas últimas duas semanas, a quantidade de ocorrências fora da China aumentou 13 vezes e o de países afetados triplicou.

Mais lidas
Últimas notícias