Raiva humana: paciente é adolescente e está em estado grave

Após 44 anos, Saúde do DF notificou primeiro caso nesta terça (5). Devido a isso, a campanha de vacinação dos animais foi antecipada

atualizado 05/07/2022 16:40

O primeiro caso de raiva humana registrado no Distrito Federal após 44 anos de erradicação da doença se trata de um adolescente entre 15 e 19 anos. Ele está em estado grave.

Secretaria de Saúde do DF (SES-DF) confirmou o caso nesta terça-feira (5/7). O adolescente reside no DF e foi arranhado por um gato em 25 de maio. Em 15 de junho, ele começou a sentir sintomas da raiva como febre e dor nos olhos.

Em 20 de junho, o paciente foi internado na unidade de terapia intensiva (UTI) já em estado grave. A SES teve conhecimento do caso em 22 de junho, quando foi notificada pela equipe que cuida do paciente.

Em 4 de julho, a pasta recebeu o resultado do teste RT-PCR positivo para raiva, variante 3, ou seja, originária de morcego.

Outras 13 pessoas também tiveram contato com o gato contaminado. Elas estão sendo acompanhadas pela secretaria e, até o momento, não há registro de que algumas delas tenha sido infectada também.

Atualmente, no DF, além do caso no adolescente, há dois casos confirmados em animais. Um bovino e equíno.

Em entrevista coletiva, o diretor de Vigilância Epidemiológica da SES/DF, Fabiano dos Anjos, informou que a letalidade da doença é de 99,9%.

“No mundo há cerca de 59 mil mortes por ano por raiva. No Brasil, em 2020, dois casos foram registrados. Em 2021, houve um caso de raiva humana, uma criança agredida por uma raposa. Em 2022, até junho, haviam quatro casos de raiva. Há registro apenas de duas pessoas que sobreviveram. E elas vivem com sequelas”, disse Fabiano.

Vacinação

Devido à confirmação do primeiro caso de raiva humana no DF depois de 44 anos, a secretaria antecipou a Campanha de Vacinação Antirrábica. A pasta vai disponibilizar doses para cães e gatos a partir desta quarta-feira (6/7).

Até então, o único caso de raiva humana no Distrito Federal havia sido registrado em 1978. A última ocorrência diagnosticada de raiva em cães aconteceu em 2000 e, em gatos, em 2001. O vírus rábico circula no DF em morcegos, nos bovinos, equídeos e outros animais.

Prevenção

Uma das formas de prevenção da doença é por meio da vacinação de animais. Além disso, em caso de acidentes com os animais, é recomendado procurar um posto de saúde para que seja feita a profilaxia.

“A vacinação dos pets é a melhor medida de prevenção. Além disso, evite mexer em cães e gatos sem donos, nunca tocar em morcegos ou animais silvestres”, explicou Fabiano.

O soro antirrábico está disponível na rede pública hospitalar, assim como a vacina para os animais.

Quer ficar ligado em tudo o que rola no quadradinho? Siga o perfil do Metrópoles DF no Instagram.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Faça uma denúncia ou sugira uma reportagem sobre o Distrito Federal por meio do WhatsApp do Metrópoles-DF: (61) 9119-8884.

Mais lidas
Últimas notícias