metropoles.com

GDF priorizará aprovação de PLs fundiários até o fim de 2019

Até o momento, 46 propostas estão em trânsito na CLDF. Entre eles, a criação de cargos, de fundações e a definição de poligonais

atualizado

Compartilhar notícia

JP Rodrigues/Metrópoles
Brasília (DF), 01/01/2019  – Evento: Eleição de mesa diretora na CLDF –  Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF)  Foto: JP Rodrigues/Metrópoles
1 de 1 Brasília (DF), 01/01/2019 – Evento: Eleição de mesa diretora na CLDF – Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) Foto: JP Rodrigues/Metrópoles - Foto: JP Rodrigues/Metrópoles

Até o final de 2019, o Palácio do Buriti pretende colocar em pauta, na Câmara Legislativa, 46 projetos de sua autoria. Desses, sete estão aptos a serem apreciados em plenário. Outros 39 estão em tramitação pelas comissões da Casa. Para o Governo do Distrito Federal, a prioridade será as matérias voltadas à legislação fundiárias das regiões administrativas.

O ano legislativo é encerrado regularmente no dia 15 de dezembro, com a votação em dois turnos da Lei Orçamentária Anual (LOA). Ela definirá a destinação dos recursos para as mais diversas áreas da capital do país. Entretanto, é neste período que a Casa se mobiliza para aprovar um grande número de proposta, especialmente do Executivo, para que o ano seguinte comece com dispositivos. 

Entre as propostas à disposição do plenário, destacam-se benefícios fiscais para a agroindústria e a exploração agropecuária; a desafetação de uma área pública para uma faculdade na Asa Norte; a implementação do Programa Primeira-Infância; taxa única para o Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis (ITCD); e a redução gradual do Imposto sobre Transmissão “Inter Vivos” de Bens Imóveis (ITBI).

Simples Candango

A extinção do Simples Candango – Projeto de Lei nº 1.165/2016 – é uma das matérias prontas a serem votadas. O governo quer acabar com a lei que dá isenção às micro e pequenas empresas e mantém valores fixos para essa faixa de arrecadação. O motivo apresentado pelo governo é acabar com fraudes na cobrança dos impostos sobre a Circulação de Mercadorias, Bens e Serviços (ICMS) e Serviços de Qualquer Natureza (ISS). O Distrito Federal é o único no país a praticar a isenção neste modelo.

“O governador [Ibaneis Rocha (MDB)] tem dito: ‘apresentamos as ideias e cabe à Câmara Legislativa definir se são prioridade. Compete aos deputados representar a população e definir a pauta’”, defendeu o secretário de Articulação Política, Bispo Renato Andrade (PR).

Poligonais e SIG

Segundo Bispo Renato, as prioridades até o encerramento deste ano será a aprovação da definição de poligonais e a alteração de gabarito do Setor de Indústrias Gráficas (SIG). De acordo com o secretário, o objetivo é aquecer a economia do Distrito Federal.

“A aprovação dessas matérias pode aquecer a economia do DF e, nas regiões administrativas, levar investimentos e empregos. No caso do SIG, revitalizará a região”, argumenta Bispo Renato.

Por fazer parte do Plano Piloto, o SIG leva o selo de área tombada. Por isso, a iniciativa se mostra tão temerária. Ao alterar as regras de ocupação do setor e de altura das edificações, o GDF inaugura oficialmente a possibilidade de que a mesma ação se repita em qualquer um dos outros locais centrais de Brasília.

Eleição para R.As

Uma das pautas mais aguardadas para estes últimos dias de 2019 é a eleição de administradores regionais, que tramita nas comissões da Câmara Legislativa. De acordo com o Projeto de Lei nº 118/2019, de autoria do próprio Executivo, a população escolherá seis nomes. Um deles será o nomeado pelo governador com mandato de 4 anos, sempre três meses após a posse do chefe do Executivo.

Antes, porém, o candidato terá de cumprir alguns requisitos, entre eles, ter 21 anos e morar na cidade há pelo menos dois anos. A escolha será coordenada por uma comissão nomeada pelo governador. Caso o colegiado elimine um dos candidatos, esse não poderá recorrer.

A vacância do cargo de administrador se dará em quatro hipóteses: falecimento, a pedido, por processo administrativo ou por vontade do governador, que poderá nomear um interino até que ocorra nova eleição.

Bispo Renato Andrade defende a proposta enviada pelo governador. “Em última instância, o responsável por eles [administradores] é o governador, por isso, ele é quem deve decidir. As administrações não têm recursos próprios, se não for dessa forma, uma pessoa que não esteja alinhada pode prejudicar o governo”.

Sem impacto

Uma das matérias a serem avaliadas pela Câmara Legislativa, neste final de ano, é o Projeto de Lei nº 1.393/2016. A proposta altera uma lei de 2014 da própria Casa, que obriga o GDF a apresentar estudos de impacto quando este propuser renúncia fiscal.

No projeto elaborado ainda na gestão Rodrigo Rollemberg (PSB), o Executivo justifica não ter economistas suficiente em seus quadros para apresentarem os estudos, tanto por parte da Companhia de Planejamento do DF (Codeplan) quanto da Secretaria de Fazenda, antiga Sefaz. À época, o governo afirmava estar impedido de contratar.

Aguardada por empresários, a extinção do Pró-DF está em trânsito no Legislativo. A proposta cria o “Desenvolve DF”. Uma das principais mudanças é acabar com a venda de lotes – não haverá opção de compra. O modelo, caso o projeto de lei seja aprovado, passará a ser de cessão real de uso. De acordo com o GDF, será preciso comprovar a geração de empregos. Se o empresário conseguir aumentar o número de postos de trabalho, pagará menos pela concessão, prevista para durar 30 anos, passíveis de prorrogação.

Créditos

O governo planeja também a transferência de recursos ainda para 2019. Os três presentes na lista são para a Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap), duas nominalmente e outra por meio do Parque Tecnológico de Brasília (Biotic). Somados, os recursos chegam a cifra de R$ 39,2 milhões para a empresa pública responsável por negociar os terrenos do DF.

A exemplo do que tem feito com outras carreiras, o GDF pretende criar o serviço voluntário para os agentes socioeducativos. A medida visa ter maior efetivo nas unidades e aumentar os ganhos dos servidores. A categoria é uma das que mais pedem pelo aumento do efetivo de servidores.

Outras medidas

Ainda há outras propostas do governo em trâmite na Câmara Legislativa. Uma delas é a que dá licença para a implantação de novos cemitérios no Distrito Federal; a criação de funções de docência na saúde pública; a criação do Conselho de Igualdade Racial e Fundação Jardim Botânico (FJB), a criação de cargos comissionados para a Fundação de Patrimônio Cultural do DF; a implantação do Conselho Distrital de Segurança Pública; e a disponibilização de tornozeleiras eletrônicas. 

 

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comDistrito Federal

Você quer ficar por dentro das notícias do Distrito Federal e receber notificações em tempo real?

Notificações