Fraga diz estar preparado para rebater ataques: “Sou muito sincero”

Segundo o candidato do DEM ao Palácio do Buriti, o tom das campanhas vai subir. Ele acredita que vai virar alvo dos adversários

atualizado 02/09/2018 18:35

Daniel Ferreira/Metrópoles

O candidato ao Palácio do Buriti, Alberto Fraga (DEM), avalia que o tom das campanhas eleitorais deve subir cada vez mais. Em terceiro lugar na última pesquisa de intenção de votos no Distrito Federal, divulgada em 24 de agosto, ele prevê que vai virar alvo dos adversários. “Acredito que com a divulgação das outras pesquisas vão começar a me atacar porque sou muito sincero, mas eu já estou pronto para isso”, garantiu.

O coronel da reserva participou na tarde deste domingo (2/9) da inauguração de seu comitê em Planaltina. No local, aproveitou para ouvir a demanda da comunidade. Morador de Planaltina há quase 50 anos, Paulo Roberto Ferreira, 51, destacou a falta de atendimento no hospital da região. “Perdi minha mãe e meu pai porque não tinha atendimento”, reclamou.

Fraga disse que irá investir na contratação de médicos para os postos da cidade. “Assim a gente desafoga os hospitais e pode dar um atendimento de qualidade para a população”, prometeu. Sobre as melhorias na cidade, ele afirmou que, se eleito, também vai investir no transporte público e na segurança. “A população local fica muito tempo esperando na parada”, apontou.

Críticas
Pela manhã, o representante do DEM visitou o bairro de Araporanga. “As pessoas de lá pagam R$ 7,50 apenas para ir ao trabalho. Vamos abaixar essa passagem, não tem condições”, propôs. À noite, ele participará de reunião, ainda em Planaltina, com policiais militares, civis e bombeiros.

Mais cedo, Rodrigo Rollemberg (PSB) prometeu contratar, pelo menos, mais duas turmas de aprovados do Corpo de Bombeiros do DF, cerca de 700 pessoas, no próximo ano. Fraga atacou a declaração do atual governador. “O que adianta falar isso agora? Ele teve a gestão toda para acatar esse pleito, mas eu vou atender os pedidos de plano de carreira e trazer os inativos”, disse.

Mais lidas
Últimas notícias