*
 

Após anunciar a ruptura com o grupo encabeçado por Rogério Rosso (PSD) em uma carta dura do presidente regional do partido e definir o apoio a Ibaneis Rocha (MDB), em convenção no último sábado (4/8), o PSC recuou e voltou a coligar com a chamada terceira via. O motivo da reviravolta teria sido a interferência do comando nacional da legenda.

O cacique da sigla, Paulo Rabello de Castro, desistiu da candidatura própria ao Planalto e decidiu ser vice na chapa do senador Alvaro Dias, presidenciável do Podemos, no último dia 1º. No DF, o Podemos deixou a base de Rollemberg e aderiu à campanha do deputado federal Rogério Rosso. Assim, para garantir palanque à dupla em Brasília, o PSC voltou a compor o grupo conhecido como terceira via.

Outra questão que teria interferido na reviravolta seria a proximidade de membros da sigla cristã com o candidato a vice na chapa de Rosso, o pastor Egmar Tavares (PRB), líder da Assembleia de Deus de Madureira, que conta com cerca de 100 mil fiéis no Distrito Federal .

Dividido, o partido realizou convenção para escolher se seguiria com Ibaneis ou voltaria para o grupo encabeçado por Rosso. O emedebista venceu por oito votos a três. No entanto, a decisão colegiada não resistiu à intervenção nacional. O Metrópoles procurou o presidente da sigla no DF, mas não obteve retorno até a última atualização desta matéria.