metropoles.com

Venda de sentenças: PF apreende R$ 270 mil na casa de advogado, filho de desembargador

A PF também fez buscas na Asa Norte, área nobre de Brasília, no escritório de Ravik Bello Ribeiro

atualizado

Compartilhar notícia

operação-pf-desembargador-advogado-habeas-pater
1 de 1 operação-pf-desembargador-advogado-habeas-pater - Foto: null

Policiais federais apreenderam, na manhã desta terça-feira (14/3), cerca de R$ 270 mil em um cofre localizado no endereço ligado ao advogado Ravik de Barros Bello Ribeiro, no Maranhão. O mandado de busca e apreensão ocorreu no âmbito da Operação Habeas Pater, que apura crimes de corrupção ativa e passiva. A PF também fez buscas na Asa Norte, área nobre de Brasília, no escritório de Bello Ribeiro. Ele é filho do desembargador Cândido Ribeiro, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1).

Os mandados foram expedidos pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). O advogado e o desembargador são suspeitos de venda de sentenças para traficantes. Caso pai e filho venham a responder pelos crimes, poderão ser condenados a até 12 anos de prisão.

6 imagens
Operação Habeas Pater combate crimes de corrupção ativa e passiva
O advogado Ravik de Barros Bello Ribeiro é filho de desembargador federal
Desembargador federal Cândido Artur Medeiros Ribeiro Filho atua no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1)
Mandados de busca e apreensão partiram do Superior Tribunal de Justiça (STJ)
Buscas em escritório de advogado investigado na Operação Habeas Pater, na Asa Norte
1 de 6

Equipes apreenderam dinheiro em endereços ligados aos investigados

2 de 6

Operação Habeas Pater combate crimes de corrupção ativa e passiva

Divulgação/DPF
3 de 6

O advogado Ravik de Barros Bello Ribeiro é filho de desembargador federal

Reprodução/redes sociais
4 de 6

Desembargador federal Cândido Artur Medeiros Ribeiro Filho atua no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1)

Reprodução/TRF1
5 de 6

Mandados de busca e apreensão partiram do Superior Tribunal de Justiça (STJ)

Mirelle Pinheiro/Metrópoles
6 de 6

Buscas em escritório de advogado investigado na Operação Habeas Pater, na Asa Norte

Breno Esaki/Metrópoles

 

Ao todo, são cumpridos nove mandados de busca e apreensão em Brasília, sete em Belo Horizonte, em Minas Gerais, e um São Luís, no Maranhão.

Em 2018, Ravik foi alvo da operação Operação Abscôndito II. Na ocasião, mandados de busca foram cumpridos no Distrito Federal, em São Luís, em Imperatriz e em Goiânia. No relatório, a PF apontou que um dos investigados teria dilapidado seu patrimônio e transferido os bens para o advogado Ravik, visando impedir que fosse decretada a perda de tais bens, violando, assim, medidas cautelares impostas pela Justiça.

5 imagens
Investigados são suspeitos de vender sentenças para traficantes
Caso pai e filho respondam pelos crimes, podem ser condenados a até 12 anos de prisão
Buscas em edifício onde fica escritório de advocacia, na Asa Norte
1 de 5

Equipes cumprem nove mandados de busca e apreensão em Brasília, sete em Belo Horizonte e um em São Luís

Breno Esaki/Metrópoles
2 de 5

Investigados são suspeitos de vender sentenças para traficantes

Breno Esaki/Metrópoles
3 de 5

Caso pai e filho respondam pelos crimes, podem ser condenados a até 12 anos de prisão

Breno Esaki/Metrópoles
4 de 5

Buscas em edifício onde fica escritório de advocacia, na Asa Norte

Breno Esaki/Metrópoles
5 de 5

Breno Esaki/Metrópoles

No mesmo ano, Ravik foi investigado por suspeita de obstrução da Justiça no âmbito da Operação Sermão aos Peixes, que apurou um esquema de desvio de recursos federais destinados à saúde no estado do Maranhão, durante a gestão da ex-governadora Roseana Sarney (MDB).

A Justiça Federal do Maranhão decretou o sequestro e a indisponibilidade de 10 imóveis do advogado.

Outro lado

A reportagem tentou contato com o escritório de Ravik de Barros Bello Ribeiro, que informou que não irá se manifestar. O Metrópoles também acionou o TRF, mas não obteve retorno. O espaço segue aberto para eventuais manifestações.

Operação Flight Level II

A operação que investiga pai e filho tem a ver com outra ação deflagrada pela PF nesta terça e que tem como alvo uma quadrilha que teria cometido crimes de tráfico internacional de drogas, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

As investigações da Operação Light Level II apontam que os envolvidos na primeira fase da ação da PF seriam uma “célula” do bando.

Foram identificadas aquisições de imóveis, veículos de luxo, joias e criptoativos, sem que os rendimentos declarados fossem suficientes para justificar o acréscimo patrimonial no período.

Estão sendo cumpridos 25 mandados de busca e apreensão em Belo Horizonte e região metropolitana, e nas cidades de São Paulo e Florianópolis, além de cinco mandados de prisão preventiva; cinco de temporária; 17 mandados de sequestro de veículos e de sete imóveis, bem como o bloqueio de contas bancárias e criptoativos de 34 pessoas físicas e jurídicas.

Participam do cumprimento dos mandados 120 policiais federais e 12 integrantes da Receita Federal. Os suspeitos poderão responder pelos crimes de tráfico de drogas, participação em organização criminosa e lavagem de dinheiro, com penas que, somadas, podem chegar a 38 anos de reclusão.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?